Compartilhamentos

 

SELES NAFES

A saída dos vigilantes das escolas estaduais deixou as escolas, que já eram alvos de criminosos, ainda mais vulneráveis. O governo do Amapá anunciou que não irá renovar contratos com as empresas de segurança por causa da crise, e a ordem é para que a Polícia Militar, já sobrecarregada, intensifique ainda mais o policiamento no entorno dos colégios, mas só isso não tem sido suficiente.

Só nas últimas 24 horas, duas escolas foram invadidas por ladrões na capital, a Escola Estadual José de Anchieta, no Bairro Santa Rita, e a Professora Deuzuite Cavalcante, no Bairro Perpétuo Socorro, onde os policiais tiveram sorte e conseguiram recuperar todos os objetos apreendidos.

Equipamentos de som e outros objetos de valor. Fotos: PM

Equipamentos de som e outros objetos de valor. Fotos: PM

Também foram encontrados materiais utilizados para arrombar as escolas

Também foram encontrados materiais utilizados para arrombar as escolas

Os policiais foram avisados por uma denúncia anônima onde estavam os produtos furtados da escola na madrugada de quinta-feira, 11. O informante indicou a casa exata. Ao chegar no local, os policiais encontraram uma ex-aluna da escola tomando conta de todo o material, que incluía televisores, computadores, equipamentos de som, aparelhos multimídia, botijões de gás e computadores.

A sala de flagrantes do Ciosp do Pacoval ficou tomada pelos objetos.

“Já sabemos que é uma quadrilha que vem se especializando em arrombar escolas, mas nós já temos pistas e a Polícia Civil também está investigando”, comentou o tenente Marcelo, comandante do Policiamento Escolar da Zona Sul.

Policiais conferem mercadorias no Ciosp do Pacoval

Policiais conferem mercadorias no Ciosp do Pacoval

Na Escola José de Anchieta o prejuízo foi menor. Os ladrões levaram apenas a bomba de água da escola, prejudicando o abastecimento em todo o colégio.

Até que a Secretaria de Educação do Estado conclua a licitação para instalar segurança eletrônica nas escolas, a PM vai precisar fazer trabalho de beija-flor em incêndio, já que se tratam de mais de 400 escolas.

Muitos colégios guardam patrimônios valiosos, especialmente por causa dos laboratórios de informática e centrais de ar.

Compartilhamentos