Compartilhamentos

JÚLIO RICARDO

Há mais de 48 horas sem energia e cansados de esperar, moradores e comerciantes da Rua Vereador Júlio Pereira, localizada no Bairro Jardim Felicidade, interditaram a quadra que fica entre as Avenidas Carlos Almeida Sousa e José Ferreira Chucre. Com barricadas improvisadas com móveis velhos, nos quais atearam fogo, eles fecharam os dois cruzamentos, durante a manhã desta quinta-feira, 04.

Há dois dias que quem vive nesse perímetro está sem energia elétrica. A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) retirou o transformador que transmite energia para as residências e estabelecimentos comerciais na noite da última terça, dia 2, e não retornou mais ao local.

Comerciantes contabilizam prejuízos com a falta de energia. Foto: Júlio Ricardo

Comerciantes contabilizam prejuízos com a falta de energia. Foto: Júlio Ricardo

Ao todo, 11 pontos comercias, como mercados, sorveteria, açougue, restaurantes, farmácias e lava-jato, registram grandes prejuízos com a ausência de energia. O proprietário de um lava-jato, Caio Costa Guimarães, conta que atende em média 20 carros por dia e já perdeu mais de mil reais de serviço.

“Isso, fora o transtorno emocional, físico, o cansaço, estou há dois dias sem tomar banho”, desabafa indignado.

O comerciante Adelino Silva, que administra um pequeno mercado, relata que está perdendo mercadorias como frango, sorvetes e carne de hambúrguer, o que já lhe causa um prejuízo de mais de R$ 10 mil.

Moradores estão sem energia há mais de 48 horas

Moradores estão sem energia há mais de 48 horas

“Todos esses produtos precisam de refrigeração e estamos tendo prejuízos, a venda todo dia aqui é de R$ 5 mil e não estamos vendendo nem 500”, lamenta.

Mayara Cardoso tem um restaurante com sua família e também reclama dos transtornos causados pela interrupção de energia elétrica.

“A gente só não perdeu mais mercadoria porque conseguimos botar em outros lugares, conseguimos alugar um freezer, então é gasto”, reclama Mayara que também mora no mesmo local onde funciona o ponto comercial.

Ela comenta ainda que a única forma de chamar a atenção do poder público foi fechando a rua.

“Fechar a rua é nossa única maneira de fazer protesto, porque a lei do cidadão é essa, é lutar pelo seu direito e é isso que vamos fazer enquanto a CEA não resolver a questão”, explica.

Uma viatura da Polícia Militar e outra do Corpo de Bombeiros foram acionadas para desobstruir a rua e apagar o fogo. Os moradores concordaram em liberar a pista e prometem retomar com as manifestações, caso a CEA não resolva o problema ainda hoje.

De acordo com informações da assessoria da comunicação da CEA, a previsão para o retorno da equipe para restabelecimento da energia na quadra no fim da tarde de hoje.

Compartilhamentos