Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Uma partida de futebol na noite dessa terça-feira, 2, terminou em tiros e uma das vítimas teve morte cerebral. De acordo com testemunhas, o homem foi surpreendido pelos criminosos e foi atingido por vários tiros de espingarda.

O crime ocorreu às 19h59min no campo da Praça Chico Noé, no Bairro do Laguinho. Jairo Fernandes Palheta Pereira, de 30 anos, e Jó da Costa Santos, de 29 anos, estavam se aquecendo para entrar em campo quando dois homens chegaram numa moto, estacionaram e caminharam em direção a eles.

Aparentemente o alvo era Jairo Fernandes, que foi ferido por vários disparos, um deles na cabeça. Jó Santos também foi ferido em uma das pernas, mas não corre risco de morte.  Os criminosos fugiram logo em seguida.

Jairo Fernandes e Jó Santos foram levados para o Hospital de Emergência de Macapá (HE) onde a equipe médica atestou morte cerebral de Jairo.

Familiares dele disseram que a vítima era funcionário de uma empresa que presta serviços ao HE e que teria ficado marcado para morrer por causa de uma discussão com um homem que estava internado no hospital o fim do mês passado. O motivo do bate-boca que terminou em vias de fato teria sido o desaparecimento de um simples vidro de álcool.

Jairo Fernandes trabalhava no HE e tinha um filho de 2 anos e 7 meses. Foto: Arquivo familiar

Jairo Fernandes trabalhava no HE e tinha um filho de 2 anos e 7 meses. Foto: Arquivo familiar

“Isso aconteceu no dia 28. Eles começaram a discutir. Houve uma acusação de roubo. Quando o Jairo virou de costas esse paciente e o acompanhante dele o agrediram com socos. E ameaçaram dizendo que iam pegar ele. Isso foi gravado pelas câmeras (de segurança) do hospital”, relatou uma pessoa da família que não quer ter o nome e nem o grau de parentesco revelados.

A família acredita que Jairo Fernandes estava sendo seguido há dias pela mesma pessoa que estava internada no HE. A vítima se locomovia sempre de bicicleta, e o acusado teria sido visto por testemunhas na esquina da rua onde o trabalhador morava, provavelmente estudando a rotina da vítima.

Discussão no HE teria motivado o crime. Foto: Arquivo

Discussão no HE teria motivado o crime. Foto: Arquivo

“O filho dele tem 2 anos e 7 meses. Ele trabalhava todos os dias e jogava bola todos os dias. Era humilde e os pais dele, que são idosos, estão em desespero. Ele tá com morte cerebral. Muita gente viu esse crime ocorrendo e existem câmeras perto do local, então a gente pede  que as pessoas cedam essas imagens pra gente”, pediu a mesma parente.

Até agora ninguém foi preso. O caso será investigado pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (DECCP).

Compartilhamentos