Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Polícia Civil do Amapá procura por um homem de 30 anos acusado de participar do assalto que terminou na morte de um vigilante em julho deste ano, na Área Portuária do município de Santana, a 17 quilômetros de Macapá. Horas depois do crime ele usou o celular da vítima, diz a polícia.

Evaldo Braga Fonseca teve a prisão decretada pela 1ª Vara Criminal de Santana a pedido da delegada que investiga o caso, Luíza Maia.

Alexandro Coutinho morreu por não querer entregar o celular

Alexandro Coutinho morreu por não querer entregar o celular

“Sabemos que ele estava com o celular da vítima e usou momentos depois do crime. Nós estávamos esperando que ele se apresentasse, procuramos em casas de parentes, mas não o localizamos”, diz a delegada.

Evaldo Fonseca tem 30 anos e é considerado foragido. Foto: Arquivo policial

Evaldo Fonseca tem 30 anos e é considerado foragido. Foto: Arquivo policial

O vigilante Alexandro Santos Coutinho, de 27 anos, estava de plantão no frigorífico do terminal pesqueiro do Estado na madrugada do dia 2 de julho quando ele e um colega foram surpreendidos por assaltantes em uma embarcação. Os dois foram roubados, mas apenas Alexandro foi assassinado com um tiro na cabeça.

Baseado no depoimento do vigilante que sobreviveu, a Polícia Civil acredita que a vítima foi morta por se negar a entregar o celular aos bandidos. Os criminosos, que seriam 4, fugiram pelo Rio Amazonas levando os celulares e os revólveres calibre 38 dos vigilantes. 

O acusado trabalha como embarcadiço em Santana

O acusado trabalha como embarcadiço em Santana

A esposa de Evaldo Fonseca está presa por recepção. Ela estava com o aparelho roubado do vigilante, e disse não saber o paradeiro do acusado que costuma trabalhar como embarcadiço na área portuária. 

Por isso, a foto dele foi enviada para a Capitania dos Portos, mas também Polícia Rodoviária Federal e outros órgãos de segurança do Estado com o Batalhão de Operações Especiais (Bope). 

Compartilhamentos