Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Wanderson Pantoja,  o ‘Panda’, além de lutador e campeão de MMA, é também tenente da Polícia Militar do Amapá. O que muita gente ainda não sabe é que o campeão do Fatality Arena na categoria peso pena desenvolve um projeto que ajuda crianças e adultos e até idosos. Ele conta que quer dar uma alternativa através dos ensinamentos da luta marcial como disciplina, auxiliando na formação do caráter.

Panda, 33 anos, venceu no último sábado, 3, os três rounds por decisão dos juízes do Fatality Arena 9 e manteve o cinturão do peso pena. A luta aconteceu na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro.

Um talento para as artes marciais

O lutador campeão relata que quando era criança todas as atividades esportivas que desenvolvia terminavam em briga. Foi em uma dessas atividades que ele acabou conhecendo as artes marciais.

Campeão foi recebido pelos alunos. Fotos: Olho de Boto

Campeão foi recebido pelos alunos. Fotos: Olho de Boto

“Meus professores diziam que eu tinha talento para isso. Em 2004, eu fiz a minha primeira luta e daí pra cá foi um novo Wanderson que nasceu. Por meio das artes marciais a gente aprende a respeitar o próximo e a ter disciplina. Por meio delas também conheci pessoas que me incentivaram a estudar”, conta Panda.

O tenente que teve uma infância difícil morando Bairro 40 Horas, em Belém (PA), conta que teve como inspiração a sua própria experiência de vida, e que a partir dela decidiu ajudar outras pessoas.

Ele desenvolve há mais de três anos o projeto ‘Nocauteando as Drogas e Finalizando a Violência’ com crianças, jovens e adultos em uma academia que veio junto com a casa que foi comprada pelo pai no Bairro Infraero 2, Zona Norte de Macapá.

São mais de cem pessoas atendidas pelo projeto que ensina diversas modalidades como jiu-jitsu, muay thai, submission e wrestling.

 

Wanderson conta que a ideia surgiu depois que participou de um curso na Paraíba com outros colegas de farda. Ele e os amigos decidiram montar o projeto e usaram como primeiro espaço de treino um salão cedido por uma igreja evangélica que fica no próprio bairro. Hoje, ele toca o projeto com ajuda de parceiros e da PM.

Adversário encara Panda após a pesagem: consegui algo melhor pelo esporte. Quero proporcionar isso pra outras pessoas

Adversário encara Panda após a pesagem: “consegui algo melhor pelo esporte. Quero proporcionar isso pra muita gente”

“Se eu consegui algo melhor na minha vida através do esporte, eu posso proporcionar essa oportunidade para muita gente também. Eu vejo no esporte e na educação peças fundamentais para a transformação na vida dessas pessoas”, acredita o atleta.

Panda garante que as portas estão abertas para novos alunos.

“Não consigo fechar a porta pra ninguém. A pessoa chega aqui e diz que quer participar. A única coisa que digo é que eu só quero a boa vontade dele e que não precisa pagar nada”, finalizou.

O projeto funciona na Avenida Cid Borges Santana, nº 1457, Infraero II.

Além dele, o atleta Benito Tavares, também amapaense, venceu a competição e levou o cinturão dos Leves. 

Compartilhamentos