Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Uma Organização Não Governamental (ONG) fará dia 25 desse mês uma programação em homenagem ao cão Costelinha, que foi agredido a pauladas por um ex-lutador de MMA em agosto do ano passado. O cachorro, que se tornou símbolo de campanhas contra a violência animal, morreu em decorrência dos ferimentos.

A programação será a partir das 16h, no estacionamento do Parque do Forte, no Centro de Macapá.  A homenagem organizada pela Unidade de  Proteção Animal Costelinha (Upac) contará com depoimentos de pessoas que participaram da luta em prol da vida do cãozinho.

COPSTELINHA

Abrigo mantido pela ONG. Fotos: divulgação

“Nós fazemos um memorial para o Costelinha para falar da grande importância que ele teve no combate à violência animal.  Ele se tornou um exemplo, um herói.  Conseguimos salvar muitos animais em decorrência da exposição do caso dele”, frisou a integrante da ONG, Andressa Luiza.

Além da luta contra a violência animal, a programação marca ainda o dia do falecimento de Costelinha, que foi adotado por um dos membros da ONG.

Depois de um ano, o acusado de espancar o animal se diz arrependido e ainda realiza doações de ração para a ONG como punição pelo crime.

Costelinha

O cachorro, que se tornou símbolo de campanhas contra a violência animal, morreu em decorrência dos ferimentos.

Costelinha virou símbolo de campanhas contra a violência animal.

Costelinha foi agredido na segunda-feira, 31 de agosto de 2015, na Avenida 1º de Maio, no Bairro do Buritizal, Zona Sul de Macapá.

De acordo com o inquérito da Delegacia do Meio Ambiente (Dema), o crime aconteceu volta das 23 horas, quando uma cadela da raça pitbull, que estava no cio, fugiu da casa do dono e foi parar na rua, onde acabou cruzando com Costelinha. Quando o dono do pitbull percebeu, se armou com um pedaço de pau e começou a agredir Costelinha para que se ele se soltasse da cadela.

Costelinha foi socorrido com sangramento nos olhos, nariz, boca e ouvidos. O animal apanhou tanto que desmaiou. Ele foi socorrido por moradores que chamaram a ONG.

Compartilhamentos