Compartilhamentos

SELES NAFES

A Universidade Federal do Amapá (Unifap) lançou o edital que vai definir a empresa (ou consórcio) que irá construir o hospital universitário. Com mais de 300 leitos, será o maior hospital público do estado.  

O edital está no formato de RDC, que é o Regime Diferencial de Contratação, considerado menos burocrático e mais célere. Os principais quesitos a serem analisados pela comissão de licitação serão o técnico e o financeiro, sendo que o critério técnico terá peso de 60%.

Estacionamento do hospital. Imagens: Unifap

Estacionamento do hospital. Imagens: Unifap

Uma das recepções

Uma das recepções

“Justamente pra gente atrair empresas que tenham expertise em construção hospitalar. Temos pagado o preço disso na universidade. As vezes a empresa ganha, mais não tem capacidade técnica para concluir a obra”, justifica a reitora da Unifap, Eliane Superti.

A expectativa é de que a licitação transcorra durante 30 dias, e a divulgação do resultado dure mais 15 dias. A discussão sobre a construção de um hospital de referência acadêmica na Unifap começou ainda na gestão do reitor José Carlos Tavares, e continuou com Eliane Superti.

Salas de espera das clínicas

Salas de espera das clínicas

O hospital está orçado em quase R$ 169 milhões. Desse total, R$ 100 milhões já foram garantidos por meio de emenda de bancada. Faltam apenas ser empenhados e liberados.

“O Hospital Universitário é resultado de uma atuação firme e decidida da nossa bancada federal, durante o período em que estive à frente da coordenação. O esforço e as horas de trabalho são recompensados agora, quando vejo esse importante projeto sair do papel”, disse o deputado federal Marcos Reátegui (PSD).

O papel da bancada federal ainda não terminou. O restante dos recursos também terá de sair de mais emendas.

Uma das salas do centro cirúrgico

Uma das salas do centro cirúrgico

Hospital de clínicas

Dos 300 leitos do Hospital Universitário, 60 serão destinados para UTI. Haverá atendimento em todas as especialidades, mas o hospital não terá atendimento de urgência e emergência. Na prática, a unidade terá o mesmo papel do Hospital de Clínicas Alberto Lima com o dobro do tamanho.

Dos 300 leitos, 60 serão de UTI

Dos 300 leitos, 60 serão de UTI

O hospital será operacionalizado por professores e acadêmicos do curso de medicina, além de médicos e pessoal de enfermagem que serão contratados por meio de concurso que será conduzido pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, estatal federal criada em 2014. Quando estiver em pleno funcionamento, mais de 800 profissionais irão trabalhar no hospital.

A obra será erguida num grande terreno entre o Estádio Zerão e a Rodovia JK. A construção deve levar 4 anos para ser concluída, de acordo como cronograma inicial da obra.

Compartilhamentos