Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma equipe da 4ª Companhia da Polícia Militar, responsável pelo policiamento no arquipélago do Bailique (150 quilômetros de Macapá), fez uma apreensão inusitada, mas que na região é algo rotineiro. Mais de 1,2 mil ovos de camaleão estavam escondidos em uma casa e prontos para serem comercializados.

A apreensão ocorreu no último dia 25 na Ilha do Parazinho, uma reserva biológica administrada pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), e onde existem projetos que proteção de quelônios como a tartaruga marinha. O local também é um santuário para os camaleões, que nesta época estão se reproduzindo.

Camaleão abatidos e de todos os ovos foram destruídos. Fotos: Divulgação/Batalhão Ambiental

Camaleão abatido e de todos os ovos foram destruídos. Fotos: Divulgação/Batalhão Ambiental

“Essas pessoas desenterram os ovos na praia para vender porque também existem muitas pessoas que gostam de comer”, explica o tenente Adauto, do Batalhão Ambiental do Amapá.

Cinco pessoas foram presas por crime ambiental, e outras quatro conseguiram fugir com a chegada da PM.

“Um camaleão estava morto, mas foram apreendidos ainda quatro que estavam vivos e foram imediatamente soltos na reserva”, acrescentou o oficial.

Os policiais ainda encontraram espetos de metal usados na captura das fêmeas da espécie. Os ovos foram destruídos, já que depois de desenterrados não podem mais chegar à fase de eclosão.  

Compartilhamentos