Compartilhamentos

SELES NAFES

A Central de Licitações do governo do Estado prepara o edital do processo de concorrência que vai contratar vigilância eletrônica para escolas e órgãos ligados à saúde e administração. Em meio à onda de furtos nas escolas, a Secretaria de Educação do Amapá (Seed) calcula que o processo licitatório ficará pronto em 3 meses.

“O expediente interno da Seed, Sesa e Sead está identificando todas as necessidades, e a central prepara o edital”, explicou a secretária de Educação do Amapá, Goreth Sousa.

A decisão de transferir a licitação da segurança eletrônica para a Central de Licitações levou em consideração o tamanho dos contratos que, apesar de serem bem mais baixos do que o serviço com vigilantes (R$ 60 milhões), também terão valores consideráveis. O valor ainda não foi definido, mas a ideia é ter várias empresas prestando o mesmo serviço.

Goreth Sousa: licitação é prioridade. Foto: Arquivo

Goreth Sousa: licitação é prioridade. Foto: Arquivo

A Polícia Militar do Amapá destacou a sua equipe de licitações para ajudar a central na confecção do processo.

“A PM tem expertise no assunto e faz as melhores licitações do Estado”, justifica a secretária.

Para tentar conter os furtos e assaltos nas escolas, a Sead transferiu vigilantes de órgãos administrativos para 50 colégios que ficam em áreas consideradas críticas.

Escola Cecília Pinto foi o alvo mais recente dos criminosos. Vigilante trabalhava desarmado. Foto: Olho de Boto

Escola Cecília Pinto foi o alvo mais recente dos criminosos. Vigilante trabalhava desarmado. Foto: Olho de Boto

“Estamos trabalhando para aumentar um pouco mais a quantidade de vigilantes, mas a prioridade do governo é pagar o que deve para os trabalhadores.  Não iremos adquirir novas dívidas e nem fazer contratos emergenciais. Essa licitação para a vigilância eletrônica é uma prioridade com a mobilização de servidores da Procuradoria Geral, PM, Seed e Sead”, concluiu Goreth Sousa. 

Compartilhamentos