Compartilhamentos

JÚLIO MIRAGAIA

A Polícia Civil do Amapá liberou no fim da tarde desta sexta-feira, 16, Aldo Guedes Barbosa Júnior, de 33 anos, suspeito do assassinato da ex-mulher, Ilcilene Carla Silva dos Santos, 30 anos, ocorrido último dia 13 no Bairro Novo Horizonte, Zona Norte de Macapá. Ele prestou depoimento na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), mas como a Justiça não decretou a prisão preventiva, acabou sendo solto.

O depoimento dele na DECCM levou mais de 2 horas. Ele não confessou o crime. A liberação de Aldo Guedes, que é lavador de carros, já era esperada pelo advogado de defesa da família, Edson Ferreira.

Aldo Guedes ajeita o boné para proteger imagem. Foto: Reprodução

Aldo Guedes ajeita o boné para proteger imagem. Foto: Reprodução

Ele informou que o juiz de plantão indeferiu o pedido de prisão preventiva feito pela polícia, mas a DECCM vai reiterar o pedido ao Tribunal de Justiça.

“Está sendo colhida uma leva de depoimentos e provas que levam ao acusado, como as insistentes ligações dele para Ilcilene, mesmo após as medidas protetivas”, disse Ferreira.

O advogado relatou que o celular da vítima registra dezenas de ligações diárias do ex-marido, a maioria delas efetuadas do celular da mãe dele.

Há ainda a confirmação de outras testemunhas de que o lavador de carros foi visto por vizinhos bebendo próximo do quitinete onde a vítima foi encontrada morta a facadas, nos dias anteriores ao crime.

Enquanto aguardava na DECCM, ele fez um ‘coração’ com as mãos debochando de um parente da vítima que o filmava com o celular. 

Compartilhamentos