Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

O segundo turno das eleições para prefeito de Macapá será disputado entre os candidatos Clécio Luis (Rede) e Gilvam Borges (PMDB). Além de agregar votos de adversários, eles terão que tentar conquistar os 46 mil dos eleitores que votaram branco ou nulo no primeiro turno.

De acordo com dados da Justiça Eleitoral, os votos brancos e nulos juntos correspondem a 18% dos eleitores. Desse total, 16,34% anularam o voto, ou seja, 45. 366 mil pessoas na capital.

Segundo o juiz Adão Carvalho, da 2ª Zona Eleitoral, apesar do quantitativo ser alto, ele representa uma média histórica para a capital macapaense.   

Eleitora é recebida por mesários no domingo: média histórica alta em Macapá

Eleitora é recebida por mesários no domingo: média histórica alta em Macapá. Fotos: Cássia Lima

“Essa média está dentro do processo histórico da capital que gira entre 14 e 18%. Isso pode ter diversas representações. Na maioria das vezes, o eleitor está desacreditado, não quer se envolver no pleito ou vota nulo de revolta mesmo”, explicou o juiz.

O número alto de votos de descrédito e revolta política não foi só alto na capital. O município de Calçoene foi o que registrou o maior índice de votos nulos e brancos, com 38,18% da população. Seguido de Laranjal do Jari com 18,08%. Vitória do Jari registrou 3, 39% de votos e Tartarugalzinho com 3, 51%.

Filas para votar: em cidades do interior a taxa de votos e nulos foi baixíssima

Filas para votar: em cidades do interior a taxa de votos e nulos foi baixíssima

Em Santana, município com a segunda maior população do Amapá, apenas 5,15% dos eleitores decidiram pela opção branco ou nulo. Os municípios de Ferreira Gomes, Porto Grande e Oiapoque registraram respectivamente 3,12%, 3,94% e 2,47% dos votos.

O total de 2, 87% do eleitorado de Itaubal optou por votos brancos e nulos. Cutias teve 1,47%. O município de Mazagão registrou 4,58%, Pedra Branca teve índice de 3,73%.

Pedra Branca registrou 3,88% dos votos como brancos ou nulos. O município de Pracuúba teve o menor índice registrado com 1,40%.

“A expectativa é que essa média aumente no segundo turno, o  que é também histórico dentro do processo eleitoral. Mas fica o desafio aos candidatos. Tentam ganhar esses eleitores que estão desacreditados com a política”, frisou o juiz.

Compartilhamentos