Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) afirma que registrou um prejuízo de R$ 177 milhões em apenas 9 meses, a maior parte de furtos e fraudes em ligações de energia. Numa reunião esta semana entre representantes da CEA e da Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Amapá (Sejusp), ficou acertada a realização de uma grande operação contra os desvios e fraudes.

Segundo a companhia, o rombo teria ocorrido no período de janeiro a setembro deste ano. Sobraram danos também para os cofres do Estado que deixaram de arrecadar, pelas contas da CEA, cerca de R$ 32 milhões em ICMS.

Os números foram apresentados à cúpula da segurança pública na última segunda-feira, 10, numa reunião para discutir a composição de uma grande ação contra os desvios. O principal objetivo é garantir a segurança das equipes técnicas que realizarão inspeções nos imóveis e medidores de energia.

Representantes da CEA, PM e Sejusp: segurança das equipes. Foto: CEA/Divulgação

Representantes da CEA, PM e Sejusp: segurança das equipes. Foto: CEA/Divulgação

O cronograma de ações só será anunciado depois da assinatura do termo de cooperação, ainda sem data. A CEA lembrou que furto de energia é crime.

“Quando detectada qualquer irregularidade, de imediato será lavrado, junto à Policia Civil, um termo de ocorrência e realizada a devida regularização da unidade consumidora”, explicou o procurador da CEA, Caio Alves.

O consumidor será cobrado judicialmente pelos valores não recolhidos e ainda responderá a processo criminal.

“Essa prática ilegal amplia a probabilidade de interrupções no fornecimento, por causar sobrecarga ao sistema elétrico. Os furtos tornam, ainda as contas dos consumidores legalizados mais caras, pois parte deste prejuízo é incluído, pela Aneel, no valor da tarifa”, comentou o presidente da CEA, Marcelino Machado.

Compartilhamentos