Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

O principal acusado de matar o sargento da PM Agenildo Quaresma Júnior, de 35 anos, confessou o crime em interrogatório na tarde desta quinta-feira, 10, logo após desembarcar de Santarém (PA) onde estava escondido. Ele alegou ter atirado para se defender.

Cleber Pantoja Lima, de 22 anos, foi recambiado em voo de carreira. Dois agentes da Polícia Civil do Amapá foram buscá-lo em Santarém onde foi preso. Assim que desceu do avião, ele entrou numa viatura e foi direto para o município de Santana onde prestou depoimento.

O acusado disse que agiu sozinho, ao contrário dos primeiros relatos que indicam a participação de pelo menos 3 pessoas.

Viatura deixa o Aeroporto de Macapá com preso que foi direto para Santana. Fotos: Olho de Boto

Viatura deixa o Aeroporto de Macapá com preso que foi direto para Santana. Fotos: Olho de Boto

“Ele disse que foi apenas ele que matou, mas isso não descarta a participação de outras pessoas. Vamos investigar isso”, explicou o delegado Sandro Torrinha,  que preside o inquérito.

No dia 23 de outubro, o sargento foi ferido com um tiro e agredido a pauladas quando tentava resgatar um irmão usuário de drogas em uma boca de fumo no Bairro Hospitalidade, em uma área de pontes. Ele morreu dias depois.

Depoimento foi dado na 1 DP de Santana

Depoimento foi dado na 1ª DP de Santana

Segundo testemunhas, o sargento teria revidado aos tiros, mas desmaiou por causa dos ferimentos. Ao portal SELESNAFES.COM o acusado deu outra versão sobre o que teria ocorrido.

“Ele entrou na casa com a arma na mão. Falei pra ele não atirar, mas ele começou a atirar. Eu corri. Eu tinha uma arma que eu caçava com o meu pai e dei um tiro na direção dele. A minha intenção era que ele se evadisse de lá porque tinha criança na casa”, alegou o acusado.

Cleber Lima disse ainda que não sabia que Agenildo Júnior era policial militar, e que não pretendia roubar a arma da vítima, uma pistola Ponto 40.

Cleber Lima disse que atirou porque o sargento teria atirado primeiro dentro da casa, onde também havia crianças

Cleber Lima disse que atirou porque o sargento teria atirado primeiro dentro da casa

“Eu tirei a arma dele com medo que ele recarregasse e atirasse de novo”.

Contudo, policiais militares encontraram a pistola do sargento e a arma caseira usada pelo criminoso escondidas no tronco de uma árvore, graças a indicação que o próprio Cleber Lima deu assim que foi preso em Santarém.  

Para esclarecer esse e outros fatos, o delegado Sandro Torrinha espera a divulgação do laudo da Polícia Técnica do Amapá (Politec) sobre a dinâmica do crime. Apesar da prisão, o caso continua aberto. 

Cleber Lima já tem uma condenação por roubo. Ele estava assinando frequência no Fórum, e cumprindo ao restante da pena em liberdade. 

Compartilhamentos