Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Quase 80% dos cobradores e motoristas que fazem o ponto final de duas linhas no Bairro dos Congós, Zona Sul de Macapá, já foram assaltados nos últimos dois anos. Arrastões no pequeno terminal que funciona no fim da Rua Claudomiro de Moraes são comuns e causam pânico nos profissionais que pedem mais segurança para trabalhar.

O ponto fica bem no final da rua, é todo aberto e funciona como descanso rápido e parada de alimentação para os cobradores e motoristas das empresas Capital Morena e Expresso Marco Zero, que fazem percurso no bairro. O local tem banheiros, uma cantina e vários bancos. O grande problema é que a área é aberta, e é aí que mora o perigo.

Ponto fica aberto, o que aumenta o risco de assalto em bairro considerado violento. Fotos: Cássia Lima

Ponto fica aberto, o que aumenta o risco de assalto em bairro considerado violento. Fotos: Cássia Lima

Câmeras de segurança foram instaladas nos veículos, mas medida não inibe bandidos

Câmeras de segurança foram instaladas nos veículos, mas medida não inibe bandidos

“Me assaltaram há quinze dias com arma de fogo. É muita insegurança e impotência. Você tá trabalhando e do nada alguém coloca sua vida em risco. Já perdi as contas de quantas vezes sentimos medo”, frisou o motorista Jonildo Nogueira,de 37 anos.

Jonildo Nogueira: insegurança e sensação de impotência

Jonildo Nogueira: insegurança e sensação de impotência

De acordo com a fiscal Olga Batista, que trabalha há sete anos no ponto e já foi vítima de três arrastões, os criminosos agem durante o dia. O temor e revolta só são maiores porque próximo do terminal existem uma base da Polícia Militar desativada e uma guarita da Guarda Civil Municipal abandonada.

olga

Olga Batista, vítima de três arrastões

“Nós trabalhamos com medo, perdemos celulares e joias e sem contar que nossa moral fica abatida. Nós temos colegas que já foram esfaqueados e baleados e é uma perda enorme. Não sabemos o que fazer. Só queremos a volta da guarda ou da PM”, destacou a fiscal.

Os funcionários já pediram apoio da PM, que faz rondas no local, mas ainda é insuficiente para manter longe os criminosos. As empresas de ônibus instalaram câmeras nos veículos para tentar inibir os bandidos, mas mesmo assim o perigo continua.

20161128_104043

Base da PM está abandonada

“Eu já fui vítima de assalto por sete vezes. Eles pegam a gente desprevenidos e nos humilham. Nosso medo é que uma atitude seja tomada somente quando um colega morrer. Eles sabem que a gente não tem segurança e que temos dinheiro das passagens e dá nisso”, comentou o cobrador Leoni Cardoso.

Leoni Cardoso: sete vezes assaltado

Leoni Cardoso: sete vezes assaltado

O motorista Rubens Sousa, que já foi assaltado mais de três vezes, fala que os assaltos são comuns no ponto e durante o percurso. De acordo com ele, pelo menos um ônibus é vítima de assalto por dia.

Rubens Sousa: pelo menos um ônibus é assaltado por dia

Rubens Sousa: pelo menos um ônibus é assaltado por dia

“É uma insegurança terrível e não sabemos o que fazer. Nossos carros têm câmeras e os criminosos assaltam do mesmo jeito. Sinceramente, não sabemos o que fazer e não dá pra largar o emprego, né. É uma situação muito difícil mesmo”.

Os funcionários acreditam que uma das soluções seria cercar o ponto e deixar o acesso restrito aos cobradores e motoristas. A ideia será levada para a reunião da classe, mas por enquanto, os trabalhadores continuam a mercê.

onibus

Rodoviários temem por suas vidas com situação de insegurança

Cercar o ponto e permitir apenas a entrada de rodoviários é uma alternativa pensada pelos trabalhadores

Cercar o ponto e permitir apenas a entrada de rodoviários é uma alternativa pensada pelos trabalhadores

Compartilhamentos