Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A judiciário amapaense entrou para a história na manhã desta quinta-feira, 10, ao inaugurar o primeiro Núcleo de Mediação e Conciliação de Conflitos do Brasil, dentro de uma defensoria pública. A ideia é prevenir conflitos, evitando a judicialização de processos e implantar a cultura de pacificação.

O Núcleo, localizado na entrada da Defensoria do Amapá (Defenap), funcionará de 7h30 às 13h30 e terá uma equipe de defensores e assistentes sociais à disposição da população. A Defenap atende hoje uma média de 300 pessoas por dia e 10 mil por mês.

Cerimônia de inauguração do núcleo. Fotos: Cássia Lima

Cerimônia de inauguração do núcleo. Fotos: Cássia Lima

 De acordo com o defensor geral do Estado, Horácio Magalhães, o Núcleo deve aumentar em até 10% a demanda nas áreas de família, violência doméstica e criminal.

“Essas são nossas principais áreas e esperamos uma procura maior da sociedade para resolver os conflitos. Mesmo porque, além da sociedade buscar orientações, elas também vem atrás da conciliação”, frisou o defensor.   

Defensor geral, Horácio Magalhães:

Defensor geral, Horácio Magalhães: sociedade busca conciliação para conflitos

O método de conciliação e mediação já é utilizado pela justiça em todo Brasil, especialmente nas defensorias públicas do país. Mas com a criação de um núcleo dentro da instituição, a justiça fomenta a pacificação de conflitos.

“Nós estamos consolidando uma prática que a Defenap já usava, mas que agora o judiciário vem aprimorando. Esse é um marco para a justiça do país, pois estamos buscando ferramentas mais modernas para chegar a um fim pacífico e que traga equilíbrio para as partes”, destacou a presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), Sueli Pini.

Presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), desembargadora Sueli Pini

Presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), desembargadora Sueli Pini: marco para a justiça do país

Compartilhamentos