Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A ex-secretária de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete), Anésia Nunes, emocionou deputados da Assembleia Legislativa (Alap) na última segunda-feira, 21, ao relatar maus tratos em uma abordagem policial na sua residência. Ela participa da campanha nacional 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

Anésia contou emocionada que tudo aconteceu no mês passado, na sua residência na Zona Sul de Macapá, quando parentes dela se envolveram em uma briga com vizinhos por causa de um estacionamento.

Deputadas ouviram o relato da ex-secretária de suposto abuso de autoridades por policiais. Fotos: Cássia Lima

Deputadas ouviram o relato da ex-secretária de suposto abuso de autoridades por policiais. Fotos: Cássia Lima

Ela contou que o vizinho, que é taxista, chamou a polícia, especialmente policiais amigos dele. Nove PM’s teriam chegado à casa da ex-secretária de forma truculenta e grosseira.

“Nunca nenhum homem na minha vida me chamou de vadia, mas aqueles policiais me destrataram. Quero pedir justiça porque eu sempre lutei pelos direitos do próximo. Eu não consigo dormir bem há um mês, desde que isso aconteceu”, disse em prantos, Anésia.  

O portal SELESNAFES.COM procurou a Divisão de Comunicação Social da Polícia Militar, mas não houve respostas. 

O relato emocionou a todos os presentes, especialmente ao deputado Pedro Dalua (PSC), que é presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. Ele disse que vai apurar o caso.

“Vou atuar pessoalmente nesse caso. Não vamos convidar, vamos convocar os policiais, o comandante da PM e todos os envolvidos para virem nesta casa de leis explicarem esse episódio. E lhe digo com toda certeza, sua honra está acima de tudo”, disse Dalua para a ex-secretária.  

Deputado Pedro Dalua: policiais serão convocados para prestar esclarecimentos

Deputado Pedro Dalua: policiais serão convocados para prestar esclarecimentos

Durante a sessão, secretários de estado e representantes de instituições civis declararam apoio à ex-secretária e todas as mulheres que sofrem violência física ou psicológica. A secretária nacional das Mulheres, Fátima Pelaes, se comprometeu em trazer uma campanha ao Amapá em 2017. Fátima trabalha no governo do presidente da República, Michel Temer, numa instituição subordinada ao Ministério da Justiça.

“Temos que mudar comportamentos, e ideias impregnadas há anos. Por isso é importante trabalharmos a educação para formar novos cidadãos. Esse problema não é das mulheres, é da sociedade. As mulheres que sofrem, mas a sociedade que tem essa cultura. Busco implementar de forma efetiva o Programa Mulher Viver sem Violência em 2017 para dar atenção a esses casos e combater a violência contra a mulher”, destacou.

fatima-pelaes

Secretária nacional das Mulheres, Fátima Pelaes: é necessário mudança de comportamento

16 dias de ativismo

A Campanha chamada “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” é uma mobilização anual nacional realizada por vários setores da sociedade civil e poder público engajados nesse enfrentamento.

A campanha que vai até dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, tem neste ano como foco das discussões o combate à violência sexual, especialmente à questão das mulheres negras, que correspondem à maioria das vítimas de agressões.

A campanha ocorre há 25 anos e mobiliza cerca de 130 países. Vários municípios brasileiros já estão com as ações em andamento, mas a campanha em nível nacional será lançada oficialmente em Brasília, no dia 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres. Está previsto ainda para dezembro o lançamento, pelo governo federal, de um programa de promoção da igualdade de gênero.

No Amapá, todos os municípios terão debates e marchas contra a violência. A ideia é que o debate entre nas escolas e que os alunos se conscientizem de denunciar.

Compartilhamentos