Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Das 18.400 pessoas sepultadas em um dos maiores cemitérios de Macapá, o São Francisco de Assis, na Zona Norte, mais de 8 mil são crianças recém-nascidas e adolescentes. No Dia de Finados, que acontece todos os anos no dia 2 de novembro, muitos pais comparecem ao local para prestar homenagem às crianças que nunca serão adultas.

Ao todo, são 3.986 menores de até 17 anos e 4.666 fetos, o que corresponde a 47,021%, segundo dados da administração do cemitério. Os motivos das mortes são diversos, como assassinatos, causas desconhecidas, doenças e ao nascer, como o caso do pequeno Henrique Sena Façanha.

Lista de crianças enterradas no cemitério. Fotos: André Silva

Lista de crianças enterradas no cemitério. Fotos: André Silva

A mãe dele, Iranete Braga Sena, de 27 anos, desenvolveu hepatite na gravidez e o bebê morreu durante o parto. Ela e o marido, Gilmar Façanha Pereira (foto destaque), 24 anos, moram no Arquipélago do Bailique e lembram com tristeza o dia em que tudo aconteceu.

“Quando ela sentiu as dores de parto nós estávamos em casa. Pegamos uma voadeira do meu cunhado e fomos até a região do Aterro. Depois pegamos o carro da minha comadre, havia muito buraco na estrada. Ela não aguentou e deu a luz dentro do carro, antes de chegarmos no Curiaú. Ele já havia nascido”, conta com angústia o pai.

Iranete Braga Sena

Iranete Braga Sena e Gilmar Façanha Pereira cuidam do túmulo do filho. Junto ao pequeno Henrique, outras vidas interrompidas

“Ele ficou poucos minutos em nossos braços. Chegamos no Posto Marcelo Cândia….(pausa para respirar emocionado)… ainda estava vivo. Já haviam passado uns 6 minutos, mas não havia oxigênio no posto e não deu pra manter ele com vida”, lembra com pesar o pai.

Como este casal, haviam muitos outros pais fazendo manutenção nos mausoléus dos filhos para o Dia de Finados.

cemiterio-5

Familiares estão realizando manutenção dos mausoléus

Com familiares realizando limpeza dos túmulos, procura por serviços de manutenção é baixa

O crescimento da movimentação de pessoas nos cemitérios favorece o trabalho com a venda de objetos para manutenção dos túmulos, mas o movimento não anda assim tão bom.

“Esse ano tá ruim mesmo. Espero que amanhã melhore, já que é o dia mesmo de finados”, avalia Dilcinei Sanches, 32. Ele vende as peças para túmulos de crianças por R$ 35 e para adulto a R$ 45.

cemiterio-1

Dilcinei Sanches. Vendas ainda são tímidas

O cemitério está todo preparado para receber a população no Dia de Finados. O processo de limpeza, realizado pela Prefeitura Municipal de Macapá (PMM), foi concluído nesta terça-feira, dia 1º de novembro.

 

Compartilhamentos