Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A crise na Assembleia Legislativa do Amapá, que tem como principal foco o controle político, administrativo e financeiro da Casa, gerou mais um acontecimento inusitado nesta terça-feira, 22. Três membros da mesa diretora renunciaram aos cargos, num claro sinal de que o atual presidente, Jaci Amanajás (PV), está perdendo apoio e pode cair a qualquer momento.

A primeira renúncia ocorreu no início da sessão, quando a deputada Roseli Matos (PP) anunciou que estava renunciando à vice-presidência da Alap. A deputada fazia parte do grupo que dava sustentação à gestão do atual presidente, Jaci Amanajás (PV).

Deputada Edna Auzier anunciando renúncia: críticas à atual gestão

Deputada Edna Auzier anunciando renúncia: críticas à atual gestão

Minutos depois, houve a segunda renúncia, desta vez do deputado Pastor Oliveira (PRB), que ocupava o cargo de 4° secretário da mesa diretora.

Já a terceira renúncia foi da deputada Edna Auzier (PSD), que ocupava o cargo de 2° secretária.

“Não me sinto parte desse processo, não tive êxito na mesa naquilo que sempre busquei que foi a gestão compartilhada. Eu não estou de acordo com essa gestão”, justificou a deputada Edna, durante sua renúncia.

Rosely deixa a vice-presidência: sem gestão compartilhada

Rosely deixa a vice-presidência: sem gestão compartilhada

De acordo com a deputada Rosely, pontos fundamentais como a reforma administrativa e política, além da gestão compartilhada, não vinham sendo colocados em prática pelo atual presidente da Alap. 

“Há algum tempo, enquanto membro da mesa, eu venho cobrando uma postura diferenciada em relação à condução administrativa e financeira da Casa, e infelizmente, a Alap vem caindo no mesmo erro. Eu, a deputada Edna e o deputado Pastor Oliveira, não conseguimos ser bem sucedidos nisso, e por isso vamos nos retirar desta gestão”, frisou a deputada.

Segundo o regimento interno da Assembleia, no caso da renúncia de três membros, não há nova eleição para os cargos, apenas a partir de quatro membros, o que ocorre é uma ascensão de cargos. O deputado Fabrício Furlan (SD), que era 2° vice-presidente passa a ser 1ª vice-presidente. E o cargo dele fica vago.

O deputado Charles Marques (PSDC), que era 3ª secretário, ascende para 2ª secretário na vaga deixada pela deputada Edna Auzier. E a 2ª e 3ª secretarias, ocupadas por Edna e o Pastor Oliveira, ficam vagas.

A renúncia dos três membros pegou de surpresa a imprensa, assessores e o público presente nas galerias da Assembleia, já que no Diário Oficial online da Casa também há uma publicação com a data de terça, 21, em que consta a renúncia de seis membros da mesa para o biênio 2017/2019, ou seja, todos os deputados eleitos em março, na gestão do então presidente Kaká Barbosa (PT do B), renunciaram coletivamente antes de assumirem os cargos.

Nova Eleição

Além das duas renúncias (a dos três deputados e a que foi publicada online), houve bate-boca entre os deputados Pedro Dalua (PSC) e Augusto Aguiar (PMDB) sobre as gestões do deputado Kaká Barbosa e do atual presidente, Jaci Amanajás.

Dia de renúncias na Alap

Dia de renúncias na Alap

O presidente Jaci Amanajás marcou a eleição para novos membros da mesa diretora da Assembleia (biênio 2017/2019) para esta quarta-feira, 23, às 10h, já que houve a renúncia online. Vale lembrar que a Justiça entendeu como válida a eleição de Kaká Barbosa para assumir o comando da Alap a partir de janeiro do ano que vem. 

Já o atual presidente ficou de se posicionar nesta quarta-feira sobre tudo o que ocorreu na sessão. Nos bastidores, o que se comenta é que Jaci Amanajás enfrenta desgaste por querer deixar Augusto Aguiar como seu seu sucessor. 

Compartilhamentos