Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Uma mulher de 49 anos foi estuprada durante um assalto em sua residência na Avenida Procópio Rola, no Centro de Macapá. A vítima foi atacada quando ainda se recuperava de uma cirurgia no útero realizada há poucos dias.

O crime ocorreu na tarde deste domingo, 18, por volta das 13h. Segundo informou a vítima à Polícia Militar, o agressor pulou o muro da residência e anunciou o assalto. Depois de conseguir o que queria, dinheiro e 2 celulares, o criminoso decidiu estuprar a mulher, fugindo em seguida.

Ao sair do imóvel, pulando novamente o muro, a movimentação do bandido chamou a atenção de um motociclista que passava pela avenida e decidiu segui-lo. Ele viu quando o criminoso entrou em um ônibus e resolveu avisar a PM.

"Parasita" mora em Santana, mas rouba em Macapá. Fotos: Olho de Boto

“Parasita” mora em Santana, mas rouba em Macapá. Fotos: Olho de Boto

O motociclista seguiu o ônibus que logo passou a ser acompanhado também por uma viatura da polícia. Na Avenida 13 de Setembro, já no Bairro do Buritizal, o bandido desceu do coletivo e foi abordado por uma equipe do 6º BPM. 

Ele foi imediatamente reconhecido pelos policiais como o “Parasita”, de 17 anos, menor que havia sido apreendido somente há uma semana. Parasita é dono de uma extensa ficha de crimes, especialmente assalto.

“Ele é de Santana, e vem pra roubar aqui em Macapá. Ele foi levado para a residência da vítima que o reconheceu. Nossa guarnição o havia prendido ele na semana passada por furtar uma TV em um salão de beleza. Nós o apresentamos na Deiai (Delegacia Especializada em Investigação de Atos Infracionais), mas ele já estava solto de novo”, comentou o tenente Vitor, do 6º BPM.

Tenente Vitor: "a gente faz o máximo"

Tenente Vitor: “a gente faz o máximo”

O menor foi levado mais uma vez para a Deiai. A vítima foi encaminhada para a Polícia Técnica do Amapá (Politec) para exames e atendimento psicológico.

“Ele a forçou a fazer diversas coisas. A vítima está abalada, e havia passado recentemente por uma cirurgia para a retirada de um tumor no útero. A gente tem feito o máximo que a gente pode, mas esse menor protegido pela lei foi solto e cometeu mais esse crime grave. Tomara que agora ele fique alguns meses guardado”

Compartilhamentos