Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Em uma coletiva de imprensa ocorrida no Palácio do Setentrião, no início da tarde desta quinta-feira, 1, a Secretaria de Transportes do Amapá (Setrap) anunciou a construção de uma nova ponte sobre a Lagoa dos Índios. A obra faz parte do projeto de alargamento da Rodovia Duca Serra e vai custar R$ 13 milhões.

O secretário de Transportes, Jorge Amanajás, explicou sobre as dificuldades encontradas para a obra na rodovia, em especial a instalação da ponte e a liberação de uma área que pertence à Amapá Previdência (Amprev).

Cerca de 10 metros dessa área serão usados para a construção de duas rotatórias, uma frente ao Conjunto Cabralzinho, e outra na entrada do Marabaixo I, na Zona Oeste de Macapá. Segundo o secretário, cerca de meio hectare da lagoa será aterrado para que a ponte seja instalada.

Secretário de Transportes, jorge Amanajás:

Secretário de Transportes, Jorge Amanajás: parte da lagoa será aterrada. Fotos: André Silva

Tecnicamente, a estrutura que hoje existe no local não é considerada uma ponte, mas um conjunto de anilhas de concreto com mais de 50 anos que permitem a passagem da água de um lado ao outro da lagoa.

“Há quem pense que chegamos lá e dissemos que íamos fazer, mas não foi assim. O processo de licenciamento começou em 2009. Estudos ambientais simplificados foram feitos, conforme solicitado pelos órgãos de meio ambiente. Quanto a isso tudo que precisava ser feito, foi feito. A obra está licenciada e sendo executada por nossos técnicos”, disse Amanajás.

Amanajás informou que obra está licenciada

Amanajás informou que obra está licenciada

A ponte será composta por um deck que permitirá aos transeuntes uma bela vista da lagoa. Já no projeto definitivo de duplicação (que ainda não começou) está prevista também a instalação de ciclo faixas até o entroncamento da Duca Serra com a AP-440, conhecida como Km 9; faixa de pedestre e futuramente a instalação de radares eletrônicos para o monitoramento da via que liga Macapá com Santana, e que também dá acesso ao município de Mazagão.

Impasse 

Jorge Amanajás destacou que já vem conversando com o conselho deliberativo da Amprev para a liberação de uma área para a construção da rotatória em frente ao conjunto Cabralzinho, mas até agora não houve uma sinalização positiva da instituição.

“Tínhamos dois caminhos, um era que eles concedessem a área para construirmos a rotatória, como eles não concederam, estamos trabalhando no procedimento de desapropriação, mas sempre mantendo o diálogo”, explicou o secretário.

Trecho alargado já deu mais fluidez ao trânsito. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

Trecho alargado já deu mais fluidez ao trânsito. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

Toda a obra de alargamento está sendo executada com recursos do Governo do Estado e por técnicos da própria Setrap. Mas a ponte terá de ser construída por uma empresa especializada. O edital de licitação será lançado no início do ano que vem.

Além disso, outro serviço que será terceirizado será o geomonitoramento, serviço especializado que irá medir a eficiência da compactação da base da nova estrutura que terá 24 metros de largura por 50 metros de comprimento. 

Rodovias

Além do alargamento, o secretário apresentou um relatório sobre as obras da AP 070, que liga a capital a outros municípios do estado. Nesse corredor está sendo escoada boa parte da produção de grãos do Amapá.

Ele também reforçou que a entrega da ponte sobre o Rio Matapi será entregue no dia 12 de de dezembro.

Crescimento da cidade exige mudanças na Zona Oeste. Foto: Seles Nafes

Lagoa dos Índios: estrutura com mais de 50 anos. Foto: Seles Nafes

O governador do Estado, Waldez Góes, que abriu a coletiva, destacou a importância das obras em função do crescimento da população da Zona Oeste, e lembrou que o alargamento feito até agora já melhorou o fluxo da rodovia, dando mais rapidez na chegada à Zona Oeste.  

“Mais de 160 mil pessoas fazem uso da Duca Serra, e o estado depende integralmente dessa rodovia, seja para importar produtos de consumo alimentar e de obras, ou para exportar o que produzimos. Portanto é urgente que a gente duplique essa rodovia”, analisou Góes.

Ele lembrou ainda que toda a complexidade da obra está sendo respeitada, bem como os acessos aos bairros que margeiam a rodovia. A estimativa é de que a obra seja entregue em 2017.

Foto destaque: Seles Nafes

Compartilhamentos