Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Os servidores terceirizados da saúde protestaram pelo segundo dia seguido na frente da Secretaria de Saúde do Amapá (Sesa), na manhã desta terça-feira, 20, na Avenida FAB, Centro de Macapá. Os trabalhadores reclamam do atraso de quatro meses no pagamento dos salários.

De acordo com o Sindicato dos Servidores de Asseio e Conservação do Amapá, 42 servidores das empresas Bernacom e Executiva estão na mesma situação. Eles fazem serviços de limpeza no Hospital de Emergência, Hospital das Clínicas Alberto Lima (Hcal) e em departamentos da Sesa.

Terceirizados realizaram protesto pacífica na entrada da Secretaria de Saúde. Fotos: Cássia Lima

Terceirizados realizaram protesto pacífica na entrada da Secretaria de Saúde. Fotos: Cássia Lima

 

servidores-1

Mais de 40 servidores de duas empresas prestadoras de serviço aguardam pagamentos atrasados

“Nós só recebemos se a gente vier se humilhar. Aqui estão pais de família que devem aluguel, pensão alimentícia e só tão comento com ajuda de terceiros. Estamos com dois dias de greve e não temos posicionamento da Sesa”, destacou o presidente do sindicato, Júnior Leitão.

junior-lewitao

Presidente do sindicato, Júnior Leitão: dois dias de greve para Sesa se posicionar

Os servidores estavam pacificamente em frente à secretaria tentando falar com o secretário adjunto de Gestão, Diego Campos. O secretário atendeu ao presidente do Sindicato ainda pela manhã, mas de portas fechadas.

De acordo com Campos, o atraso no pagamento só ocorreu porque o Ministério da Saúde ainda não havia repassado o pagamento para a Sesa. Mas a situação já está sendo resolvida com recurso do tesouro do Estado.

“A gente verificou que foi emitida uma ordem bancária para o Estado do Ministério e com isso estimamos que até sexta-feira esse recurso já esteja na conta da Sesa. Mas de imediato vamos pagar até amanhã um mês de atraso com recurso do tesouro”, frisou Diego Campos.

Secretário Diego Campos: pagamento a partir desta quarta, 21

Secretário Diego Campos: pagamento a partir desta quarta, 21

Ele ainda destacou que o atraso no pagamento só ocorre porque as empresas não estão arcando com o compromisso de pagar até 3 meses de salário sem o auxilio da Sesa, como consta no contrato.

Compartilhamentos