Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Em um momento que deveria ser de alegria e comemoração, a jovem Maria Luiza Trindade Figueredo, de 17 anos, vive dias de apreensão. A estudante do Centro de Ensino Moderno, no Bairro do Trem,  a única do Amapá a tirar nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2015, teve seus dados hackeados e ainda não conseguiu ver sua nota de 2016.

O drama começou na quarta-feira, 18, quando o Ministério da Educação (MEC), por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), disponibilizou as notas do Enem 2016. Maria Luiza soube por grupos, no aplicativo Whatsapp, que havia algo errado com a sua nota.

Para2016, a expectativa é de outra nota mil. Fotos: Cássia Lima

Para 2016, a expectativa é de outra nota mil. Fotos: Cássia Lima

“As pessoas começaram a dizer que meu número de inscrição era falso porque começava com 15, significando que era de 2015. E de fato era pra começar com 16, aí já recebi a nota com críticas e não entendi nada, mas sabia que havia um erro”, relatou a estudante.

O problema aumentou nesta quinta-feira, 19, quando a estudante recebeu um em-mail que seria do Inep esclarecendo que sua conta no sistema que continha os dados de 2016 havia sido alvo de hackers, e por causa disso as informações foram trocadas. Mais tarde, a família descobriu que o e-mail era falso, assim como outras mensagens que chegaram depois. 

O site divulgou a nota na inscrição de 2015 como se fosse do Enem de 2016. O falso e-mail do Inep dizia inda que devido ao problema de segurança, os dados dela seriam suspensos, e nos próximos dias o instituto vai disponibilizar a nova senha para que ela acesse os dados e notas de 2016.

“Já descobrimos que o e-mail é falso, e estamos tomando providências junto com o colégio”, informou Nely Trindade, mãe da estudante.

Falso email do Inep

Falso email do Inep

Maria Luiza passou a ver piadas e publicações mentirosas sobre ela.

“Disseram nas redes sociais que eu tava mentindo, inclusive até vi publicações desse tipo. Eu fiquei triste, fizeram montagem com meu nome e colocando o nome de outros alunos. Mas eu sei que isso só é inveja, e vou seguir com a minha vida normal”, contou a estudante.

 Maria Luiza, mesmo antes do resultado do Enem, já havia feito vestibular para faculdades de Macapá e conseguiu aprovação em arquitetura na Fama e no Ceap, onde ela já começa a estudar na próxima segunda-feira, 23.

“Eu já estou feliz pelos mil em 2015 e espero melhorar na nota em 2016. Vou começar a estudar na segunda um curso que sou apaixonada e se minha nota for muito boa, em 2016 vou tentar um curso pra Unifap. Mas a priori, quero estudar no estado”.

Segundo os pais, Maria Luiza é uma adolescente com rotina normal. É muito responsável, focada, e sai com as amigas para ir ao shopping e ao cinema. A mãe Neli Trindade, que é pedagoga, contou que a filha sempre foi estudiosa.

“Nós sempre vimos que ela era muito focada e tinha um ótimo desempenho na escola. Sempre a apoiamos nos estudos, então deixávamos ela livre a noite por causa das boas notas. Ela tem o horário de estudar, mas tem os horários de diversão também. A gente confia no potencial dela”, ressaltou a mãe confiante.

Maria com os pais Neli e Marco

Maria com os pais Neli e Marco

A jovem, que é filha única da pedagoga com o servidor público Marco Figueredo, gosta muito de ler livros e reportagens, ama a área de exatas desde criança e gosta de usar o Instagran. Ela não tem Facebook.

Nota mil no Enem

Maria Luiza tirou nota mil no Enem de 2015, quando estava no 2º do ensino médio, e ficou entre as 107 notas máximas do Enem do mesmo ano. Ela é bem tranquila, fala pouco, mas conta como foi a rotina de estudos nos últimos dois anos.

“Em 2015 eu estudei de manhã, já em 2016 eu participei de uma espécie de cursinho interno daqui chamado “A hora do Enem”, onde os alunos da manhã vinham estudar e revisar assuntos para o Enem. Fiz simulado e li muito, com horário fechado de 14h às 18hs. Só tinha tempo a noite”, explicou a estudante que espera repetir a nota mil de 2015.

Nos próximos dias, Maria Luiza e seus pais devem receber a nota de 2016. A expectativa é grande.  A mãe quer fazer um festão com direito a ovada e tudo.

“Já queremos comemorar e fazer um festa para amigos, familiares e professores dela. Eu tô doida pra ouvir a música do vestibular do Pinduca. Independentemente do erro e das chacotas, sou muito feliz por ela”, disse empolgada a mãe.

Compartilhamentos