Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

O Amapá teve a maior queda do número de linhas telefônicas fixas do país, proporcionalmente, em 2016. Os números foram divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nesta terça-feira, 10. A diminuição no estado chega a 13,6%.

De acordo com a agência, havia em novembro de 2015 um total de 48.914 linhas. Exatamente um ano depois, esse número baixou para 42.260, ou seja, 6.654 linhas a menos. Em todo o país, a queda foi de 4,18% no mesmo período, o que representa 1.831.933 telefones fixos a menos. 

Telefonia móvel no AP

Também houve uma significativa diminuição no número de linhas móveis no Amapá, segundo a Anatel. Foram 136 mil linhas móveis que deixaram de funcionar no período de um ano. Existem atualmente 742.253 linhas de telefone celular ativas para 766.679 habitantes no estado.

Uma maior interconexão entre as operadoras, com serviços compartilhados e tarifas menores é o que estaria gerando a diminuição das linhas de celulares, de acordo com a agência em nota.

Atualmente, o Brasil tem cerca de 204.450.649 habitantes para 248.448.064  de linhas telefônicas móveis, isso quer dizer que cada morador tem em média 1 telefone celular.

Amapaense está aposentando o fixo

O amapaense, assim como a maioria da população do país, optou pelo telefone móvel e aposentou o telefone fixo. A justificativa é unânime: economia e controle nas ligações.

Francisco Pereira da Silva: deixei de suar telefone fixo

Francisco Pereira da Silva: deixei de suar telefone fixo porque contas erra irregulares. Fotos: André Silva

“Deixei de usar a linha fixa, pois a fatura vinha com um preço num momento e outro depois e o pessoal reclamava muito. Às vezes vinham telefonemas de São Paulo, Rio de Janeiro e nós não tínhamos nem ligado. Agora, com o telefone (celular) é outra coisa: a gente tem o controle nas ligações”, justificou o técnico em refrigeração Francisco Pereira da Silva, de 48 anos.

Mas ainda existem pessoas que pensam em instalar uma linha fixa em casa por algum um motivo.

materia-telefonia-ap-1

Márcia Carlene: telefone fixo ainda é pedido por instituições financeiras

“Eu pretendo ter um telefone fixo em casa porque algumas instituições, principalmente as financeiras, pedem um número de telefone fixo. E como não tenho no momento, isso acaba atrapalhando algumas coisas”, disse a professora Márcia Carlene, de 25 anos.

No entanto, existem operadoras de telefonia móvel que também oferecem planos de linha fixa para aparelhos celulares.

Compartilhamentos