Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap) propôs, durante a manhã desta sexta-feira, 27, a realização de uma audiência pública para os usuários do programa de Tratamento Fora de Domicílio (TFD), com o objetivo de buscar soluções e recursos diante das dificuldades encontradas pelos pacientes com a atual estrutura do sistema, administrada pelo Governo do Estado.

O presidente da comissão, o deputado Pedro da Lua (PSC), recebeu na Alap os representantes da recém-fundada Associação Amapaense de Apoio ao Paciente em Tratamento Fora do Domicílio (AAPTFD). Os membros da entidade de representação relataram estar cansados de esperar providências do poder público para melhorar as condições de prestação de serviços do benefício e por isso decidiram criar uma organização, atualmente presidida por Ruany Camila Soares.

As reivindicações apresentadas pelos usuários do TFD passam pelo aumento no valor dos auxílios financeiros, atualização e regularização do repasse, que está atrasado, e emissão dos bilhetes aéreos no prazo de 36 horas.

Pacientes reclamam da demora na emissão de passagens. Foto: arquivo/SELESNAFES

Pacientes reclamam da demora na emissão de passagens. Foto: arquivo/SELESNAFES

Além dos problemas financeiros, os pacientes também denunciam a falta de logística para os funcionários do programa, como carro, telefone e internet. É pedido também diminuição da burocracia para o atendimento e formulação do processo de tratamento, além de uma gestão financeira independente, pois o recurso do TFD é gerido pelo secretário de Saúde, que, segundo a associação, burocratiza os procedimentos do programa.

O deputado Pedro Da Lua disse, durante o encontro, disse que pretende convidar para a audiência os senadores Davi Alcolumbre (DEM), Randolfe Rodrigues (REDE) e João Capiberibe (PSB) para ajudar a buscar recursos para o programa. Além dos senadores, o presidente da comissão de direitos humanos também convidará a juíza federal Lívia Perez e o desembargador Carlos Tork, que foram conciliadores em questões relacionadas a saúde com o Estado.

Compartilhamentos