Compartilhamentos

SELES NAFES

O falso agente penitenciário detido pela Polícia Militar do Amapá preso no último fim de semana queria comprar um carro em uma concessionária de alto padrão de Macapá, revelou a Polícia Civil nesta segunda-feira, 23. O estelionatário despertou a desconfiança de um funcionário da loja que avisou a PM.

Tiago José da Silva, de 33 anos, foi detido em uma parada de ônibus no último sábado, 21, por uma equipe da Polícia Militar que já havia sido informada sobre ele. Ele foi conduzido para o Ciosp do Pacoval.

O acusado estava vestido com um uniforme de agente penitenciário e usava uma insígnia da Subsecretaria de Administração Prisional de Minas Gerais (Suapi), sua suposta terra natal.

“A falsidade ideológica da CNH a princípio teria sido praticada no estado de São Paulo, mas ainda temos que verificar. Vamos precisar de informações de outros estados. Os dados da CNH existem no sistema, mas a foto da pessoa não aparece”, revelou o delegado Glemerson Arandes, que estava de plantão no Ciosp do Pacoval e encaminhou o caso para a delegacia especializada em defraudações.

Insígnia está sendo analisada pela Politec

Insígnia está sendo analisada pela Politec. Foto: PM/Divulgação

Em depoimento, Tiago Silva entrou em contradição algumas vezes sobre o tempo em que está residindo em Macapá. Em um momento disse que eram 9 meses, mas depois disse serem apenas 3 meses. Também disse que teria em vários casamentos em estados diferentes, como em Mato Grosso e no Rio de Janeiro.

Ele foi indiciado e liberado a responder ao crime em liberdade, desde que compareça às audiências.

“Ele não praticou nenhum ato como falso funcionário, o que seria usurpação da função pública algo mais grave. Por isso entrou no crime de falsidade ideológica na lei de contravenções”, relatou o delegado.

O coleta e a insígnia foram apreendidos e encaminhados para a Polícia Técnica do Amapá (Politec) que vai analisar se o material é verdadeiro.  

Polícia Civil ainda não sabe se os dados da CNH pertencem mesmo ao suposto Tiago Silva

Polícia Civil ainda não sabe se os dados da CNH pertencem mesmo ao suposto Tiago Silva

Compartilhamentos