Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

A família do jornalista Paulo Figueredo Dias, de 51 anos, desaparecido desde o dia  8 de dezembro de 2016, está fazendo uma campanha na internet para saber o seu paradeiro. Ele teria viajado no mês anterior para Santa Maria de Uruará, município paraense.

Segundo informações da família, a empresa de publicidade de Paulo Figueredo teria sido contratada para fazer a divulgação de uma festa tradicional da cidade de Santa Maria. Além disso, também, teria participado da campanha do prefeito eleito da cidade.  A filha do jornalista, que mora em Macapá,  foi a última a falar com ele.

Paulo Figueredo não entra em contato com a família desde dezembro, quando disse que iria para o interior do Pará. Fotos: arquivo pessoal

Paulo Figueredo não entra em contato com a família desde dezembro, quando disse que iria para o interior do Pará. Fotos: arquivo pessoal

Meire Dias, de 32 anos, irmã do jornalista, que mora em Altamira, disse que a sobrinha teria acessado o perfil do pai no Facebook há dois dias e dito a uma das tias que não falava com o ele há alguns dias. O que deixou o restante da família bastante preocupada.

“Ele não fica sem falar com a Juliana. Ele é muito ligado a ela e nós estamos dizendo que ele está desaparecido porque não fica sem falar com ela e os telefones dele estão desligados”, explicou Meire Dias.

O jornalista é natural do município de Altamira, no Pará, e residia no Amapá há mais de 15 anos, segundo a família. Ele tem 3 filhos e 12 irmãos. Trabalhou como radialista no município de Laranjal do Jari e foi servidor da Assembléia Legislativa do Amapá (Alap).

Paulo Figueredo 3

Paulo Figueredo trabalhou como radialista em Laranjal do Jari e na Alap

O que intriga a família também é que Paulo Figueredo é muito ativo nas redes sociais e sempre postava informações na sua linha do tempo no Facebook, coisa que não acontece desde o dia 18 de novembro.

Agora, duas irmãs dele estão se preparando para ir até o município paraense na terça-feira, 24, fazer uma busca pelo irmão.

“Vamos revirar aquela cidade de ponta cabeça e só vamos descansar depois que encontrarmos ele. Se não tivermos sucesso, vamos até o Amapá e começamos do início”, disse a irmã.

Elas pedem que quem tiver informações do jornalista possa entrar em contato com a família pelo telefone 93- 99144-0627.

Compartilhamentos