Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Polícia Civil do Amapá prendeu nesta segunda-feira, 16, um homem que estava sendo procurado pela justiça de Goiás. Apesar do mandado de prisão por homicídio, ele era mototaxista legalizado em Macapá e chegou até a receber um apartamento da prefeitura no conjunto Mucajá, na zona sul da capital.

Arnaldo Silva Martins, de 59 anos, tem uma condenação de 18 anos por um assassinato ocorrido em Goiânia, em 1989. A vítima foi morta a facadas durante uma briga.

A prisão foi feita no início da manhã pelo Núcleo de Operações e Inteligência da Polícia Civil (NOI). A equipe recebeu a informação sobre o paradeiro do fugitivo e armou uma campana para surpreendê-lo quando saia de casa para trabalhar.

Mandado de prisão por homicídio. Foto: Reprodução

Mandado de prisão por homicídio. Foto: Reprodução

Nos últimos anos, mesmo usando o nome verdadeiro, Arnaldo Martins levou uma vida normal em Macapá, sendo, inclusive, beneficiado em programa social. Ele foi aprovado em todas as etapas necessárias para conseguir permissão de mototaxista em processo realizado pela Companhia de Trânsito e Transportes de Macapá (CTMac).

Além disso, também passou sem problemas no cadastro para conseguir um apartamento no conjunto Mucajá, inaugurado em 2009. Em ambos os casos, os processos incluem a necessidade de apresentação de certidão negativa de antecedentes criminais. Se o nome tivesse sido consultado na Central Nacional de Mandados, ele nunca teria sido beneficiado. 

Apesar de ganhar o apartamento, ele não estava morando nele.

“Ele alugou e estava morando no Bairro Infraero onde nós o prendemos”, informou o delegado Alan Moutinho, titular do NOI.

Arnaldo Martins foi encaminhado para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) para aguardar manifestação da justiça de Goiás.

Arnaldo Martins foi preso quando saia de casa para trabalhar

Arnaldo Martins foi preso quando saia de casa para trabalhar

Compartilhamentos