Compartilhamentos

SELES NAFES

Lucas Barreto está com um dos pés no PTB, sua antiga legenda. A possível volta ao partido ficou ainda mais provável depois de um jantar na última segunda-feira, 22, quando recebeu em sua casa o presidente nacional do partido, o ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro, Roberto Jefferson.

Lucas Barreto decidiu retomar os planos de um mandato majoritário após a última eleição, quando não conseguiu renovar o mandato de vereador de Macapá. Ele atribuiu o fracasso nas urnas à prioridade que deu para as eleições do interior do estado onde o DEM e aliados disputavam prefeituras, e à reeleição do prefeito da capital, Clécio Luis (REDE), o que teria deixado em segundo plano sua própria campanha.

Em novembro, Lucas anunciou desfiliação do DEM, afirmando que não estava rompendo com o grupo que tem Clécio e os senadores Davi Alcolumbre (DEM) e Randolfe Rodrigues (REDE). Antes do DEM, Lucas disputou o governo do Amapá pelo PSD em 2014, e terminou o primeiro turno em terceiro lugar.

No PTB, Lucas se sente bem. Foi o partido onde teve seu melhor resultado até agora numa eleição majoritária. Em 2010, passou para o segundo turno em primeiro lugar na campanha pelo governo do Estado vencendo em todos os municípios, mas acabou sendo ultrapassado por Camilo Capiberibe (PSB), embalado pela Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal.

Em 2014, na pré-campanha pelo PSD. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

Em 2014, na pré-campanha pelo PSD. Foto: Arquivo/SELESNAFES.COM

Roberto Jefferson disse que Lucas será o número 1 do partido, e antes do jantar até fez uma brincadeira premonitória com o número da residência do ex-vereador, que é 1401. O PTB tem como número o 14, e 01 simbolizaria que Lucas ajudaria a comandar o partido no Amapá. 

“O Roberto Jefferson me deu garantias de que eu posso sair candidato para o que eu achar melhor na majoritária. Quando eu saí do PTB, eu saí pela porta da frente, deixando muitos amigos”, disse ele nesta quarta-feira, 25.

Lucas estuda convites de outros partidos, mas avisou que só vai tomar uma decisão no início de março. Na semana que vem, ele deve ter a primeira conversa sobre o assunto com o presidente estadual do PTB, o ex-deputado federal Eduardo Seabra.

Apesar da tendência, ele desconversa:

“Não é que seja mais provável a volta ao PTB, mas é uma possibilidade real”. 

Compartilhamentos