Compartilhe

De Oiapoque, HUMBERTO BAÍA

Representantes do 4º Distrito Naval, sediado em Belém (PA), estiveram no município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, na última quarta-feira, 18, discutindo a instalação de um quartel da corporação na fronteira com a Guiana Francesa.

A comitiva, também composta de representantes da Capitania dos Portos do Amapá, vistoriou o prédio que poderá abrigar a unidade da Marinha  no município.

É grande o número de barcos na bacia do Rio Oiapoque atraídos pelo quantidade de pescado existente no Cabo Orange. Muitas embarcações do Pará e até da Guiana Francesa se abastecem de gelo e combustível em Oiapoque.

Barcos de outros estados navegam na bacia do Rio Oiapoque. Fotos: Humberto Baía

Barcos de outros estados navegam na bacia do Rio Oiapoque. Fotos: Humberto Baía

As principais irregularidades observadas pela Marinha são: a falta de habilitação da tripulação dos barcos, ausência de coletes salva-vidas e falta de cadastramento das embarcações.

“É uma logística muito grande mandar para Oiapoque uma guarnição da Marinha (para as fiscalizações). Seria mais viável mantermos aqui um posto e a vigilância seria constante”, justificou o comandante do 4° Distrito Naval, o vice almirante Alípio George.

Prefeitura pensa em delimitar área de uso das embarcações na orla

Prefeitura pensa em delimitar área de uso das embarcações na orla

O posto poderá funcionar no prédio ocupado atualmente pela Receita Federal que vai mudar de endereço com a abertura da Ponte Binacional, em fevereiro.

O almirante também reuniu com a prefeita Maria Orlanda que criticou a conduta de proprietários de embarcações que jogam na orla da cidade restos de pesca poluindo o rio.

“Já estamos estudando a possibilidade de reservar uma área na orla para esses barcos se concentrarem. Atualmente, toda a orla está ocupada e não existe mais área para os banhistas como antigamente”, justifica a prefeita. 

Compartilhe