Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Pouco mais de R$ 200. Essa é a diferença entre a rotina de dor e a volta a uma vida normal para uma jovem de apenas 24 anos, que desde novembro tenta uma cirurgia na rede pública do Amapá para a retirada de uma pedra na vesícula.

Nayra Maria dos Reis precisa do valor para pagar os exames pré-operatórios na rede privada, o que agilizaria a cirurgia.

“O médico disse que assim será mais rápido, porque na rede pública pode demorar até um mês para ter todos os exames”, disse a avó da jovem, Maria Eunice, que cria Nayra desde a infância na casa onde moram no Bairro São Lázaro.

Na semana passada, o portal SELESNAFES.COM mostrou o drama da jovem que sente dores há dois anos, e desde novembro passado, quando finalmente teve o diagnóstico correto, tenta conseguir uma cirurgia no Hospital de Clínicas Alberto Lima na capital, Macapá.

No dia 6 de janeiro, a jovem e a avó tentam ajuda numa redação de TV. Foto: Olho de Boto

No dia 6 de janeiro, a jovem e a avó tentam ajuda numa redação de TV. Foto: Olho de Boto

A jovem, que sente fortes dores diariamente, conseguiu uma consulta na quarta-feira, 11, no Hcal com um médico cirurgião, que lhe prescreveu 15 exames laboratoriais necessários para a cirurgia.

A jovem, que é empregada doméstica, parou de trabalhar por causa das dores, e tem sido sustentada pela avô que recebe o benefício de um salário mínimo. 

A família faz um apelo para quem puder doar os R$ 207 que faltam ou qualquer quantia para os exames. Basta depositar na Caixa Econômica, agência 4707-013, conta poupança 00010489-9. Também é possível falar com a avó da jovem pelo telefone 99197-9006.

Compartilhamentos