Compartilhamentos

GRAZIELA MIRANDA

Os representantes das escolas de samba Maracatu da Favela e Piratas da Batucada se declararam contra à proposta da Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap) que sugere que os desfiles sejam realizados no mês de setembro.

A vice-presidente da escola de samba Maracatu da Favela, Ruth de Souza, afirmou ser contrária a esta ideia por achar que o evento perderia o sentido caso aconteça em setembro.

“Nós somos contra. Não queremos o desfile em setembro. Queremos em fevereiro, pois existe um calendário”, declarou.

escolas-de-samba-contrarias-a-desfile-em-setembro-1

Ruth de Souza, vice-presidente da Maracatu: carnaval em fevereiro. Fotos: arquivo pessoal

Ruth Souza ressaltou que a tradição dos desfiles no estado é no mês de fevereiro e que mesmo com o discurso de inovação, essa ideia seria a mesma coisa que mudar a comemoração da data de um aniversário.

“O nosso desfile é conhecido nacionalmente e até internacionalmente. Por que vai mudar? Se não tem condições de fazer em fevereiro, que seja feito em fevereiro de outro ano”, sugeriu a vice-presidente.

Carnaval em fevereiro é tradição em Macapá há 60 anos

Marcelo Zona Sul, presidente do Piratas da Batucada: carnaval em fevereiro é tradição em Macapá há 60 anos

O presidente da escola de samba Piratas da Batucada, Marcelo Zona Sul, também declarou ser contra a proposta e classificou a ideia como um ‘devaneio e sem conceito’.

“Sou contra também, porque ela é um devaneio e não tem nem conceito. O carnaval é tradição há 60 anos em Macapá no mês de fevereiro. A quadra momesca é em fevereiro. Quando passa o reveillón, todo mundo espera pelo carnaval e pelos ensaios das escolas de samba. E agora? Como vai ser?”, questionou o presidente.

Além de se declarar contra, Marcelo Zona Sul acusa a Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap) de ser inoperante e incompetente em não atrair recursos.

Piratas da Batucada foi a última escola campeão do carnaval amapaense

Piratas da Batucada foi a última escola campeão do carnaval amapaense. Foto: arquivo/SELESNAFES

“A Liga não conseguiu vender o espetáculo para nenhuma empresa porque foi inoperante e preguiçosa. Ela não teve capacidade técnica de articulação. As escolas fizeram os seus projetos e eles estão prontos. E eu, como presidente, tenho uma responsabilidade em colocar uma escola bonita na avenida, com luxo, cores, brilho, inovações e tecnologia.”, acrescentou.

Segundo o presidente da Liesap, Vicente Cruz, a definição de quando serão os desfiles, que estava marcada para ser divulgada nesta quinta-feira (5), será feita na próxima segunda-feira (9).

Compartilhamentos