Sinsepeap prepara representação no MP contra o ensino integral

Seed voltou a dizer que das 8 escolas, em 3 há probemas, mas que estarão em condições de receber o novo modelo de ensino
Compartilhamentos

SELES NAFES

O Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Amapá (Sinseap) prometeu ingressar nos próximos dias com uma representação no Ministério Público do Estado contra o processo de implantação do ensino integral em escolas estaduais. A entidade diz que parte das escolas não tem condições de atender as mudanças, e que os professores foram ignorados na implementação do novo modelo de ensino.

“Tá tudo errado. Tinha que preparar a escola e debater com a sociedade para depois implementar. Por que tem que ser nessa pressa toda? Não se sabe se o professor terá remuneração a mais, se será capacitado e o que o professor e o aluno irão fazer no outro turno”, destacou o presidente do Sinsepeap, Aroldo Rabelo.

Protesto de aluna do Tiradentes

Protesto de aluna do Tiradentes

Ele ainda citou outros pontos importantes, como a estrutura de algumas escolas e o processo seletivo de professores e diretores das escolas de ensino integral.

“Temos uma lei de gestão democrática, como então fazer processo seletivo para diretor?”, questiona.

“Não tem cozinha para fazer as refeições e nem banheiro em condições para a higiene pessoal. Queremos que estruture primeiro e implemente. A Seed tem que fazer para a sociedade, e não pro governo. Vamos reagir por meio de todas as entidades da sociedade civil organizada”, adiantou.

Aroldo Rabelo, presidente do Sinsepeap: por que essa pressa?

Aroldo Rabelo, presidente do Sinsepeap: por que essa pressa? Foto: Cássia Lima

A secretária de Educação do Amapá, Goreth Souza, se adiantou ao sindicato e nesta sexta-feira, 13, foi ao Ministério Público explicar o processo de implantação do ensino médio. Ela informou que o ensino integral vem sendo discutido há alguns anos em todo o Brasil, e que o corpo técnico da secretaria foi capacitado pelo MEC para trazer o modelo para o Amapá. Segundo ela, o mesmo vai acontecer com os professores.

Goreth Souza disse que o MEC selecionou as 8 escolas do Amapá que poderiam receber o ensino integral, e a direção desses colégios foi informada sobre o processo. No entanto, ela reconhece que das cinco escolas de Macapá, três têm problemas com a estrutura física, entre elas o Colégio Amapaense e o Tiradentes, as duas que mais têm protestado contra o ensino integral em 2017.

“Eu garanto aos pais e alunos das 8 escolas (Macapá e Santana) que terão não 100% da estrutura física resolvida, mas estarão em condições de receber o ensino integral. Eu tenho um cronograma de obras aprovado pelo MEC e serei responsabilizada se eu não cumprir. Uma força tarefa da Seinf (Secretaria de Infraestrutura) está tocando as obras, com um coordenador que foi capacidade pelo MEC”, disse a secretária.

Goreth Souza: garanto que as escolas estarão em condições

Goreth Souza: garanto que as escolas estarão em condições

A Seed admite que nem todas as cozinhas têm condições de fornecer o almoço, por isso, inicialmente, empresas estão sendo licitadas para fornecer o alimento.

Goreth Souza alega que o MEC aprovou o cronograma em dezembro passado, por isso não houve tempo de fazer um grande chamamento da comunidade escolar envolvida para entender o processo.

“O professor e o aluno que não quiserem estar na escola integral, na pré-matrícula poderá optar. Por isso nós resolvemos fazer o processo seletivo de professores. Como é que eu posso implantar uma nova dinâmica com professores que não querem que isso aconteça?”, concluiu.

As aulas estão marcadas para começar na primeira semana de março. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.