Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Foi recambiado para Macapá neste domingo, 12, no helicóptero do Grupo Tático Aéreo (GTA), o homem acusado de matar um ex-comparsa e deixar outro ferido numa emboscada.

O homicídio ocorreu na Rua Manoel Eudóxio Pereira, na madrugada do dia 4 de julho do ano passado, no Bairro do Buritizal, zona sul. Segundo a polícia, era 1h da manhã quando Janderson Brito Marinho foi morto a tiros dentro do carro em que estava com outro amigo.

De acordo com as investigações, os dois haviam saído de uma festa na sede da escola de samba Boêmios do Laguinho e teriam ido até a Manoel Eudóxio para buscar duas mulheres.

Quando chegaram ao local, os dois, ainda dentro do veículo, foram surpreendidos por uma dupla que chegou rapidamente em uma motocicleta.

Equipe do GTA que recambiou os criminosos para Macapá. Fotos: Olho de Boto

Equipe do GTA que recambiou os criminosos para Macapá. Fotos: Olho de Boto

Delegado Ronaldo Coelho investiga o homicídio: eram comparsas

Delegado Ronaldo Coelho investiga o homicídio: eram comparsas

Um dos criminosos disparou vários tiros no carro alvejando Janderson Marinho, que morreu no local. O colega foi ferido, mas conseguiu sobreviver.

A polícia esperava que o sobrevivente fosse a principal testemunha, mas ele não quis colaborar com as investigações.

“Amnésia”, ironizou o delegado Ronaldo Coelho, da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe).

Outras testemunhas, no entanto, reconheceram por foto Alexandro Brito Lobato Leão, o “Binho”. A Polícia Civil afirma que Binho e Janderson Marinho eram “sócios” em outras ações criminosas.

“Os dois eram comparsas em crimes como dinheiro falso e assaltos. Janderson tinham uma arma e dinheiro falso do Binho e estava devendo pra ele. Quando ele (Binho) foi reconhecido por foto acabou sumindo de Macapá. É um indício que demonstra que ele pode ter envolvimento”, explica o delegado.

Carona: Jeová Santos tem condenação de 5 anos por roubo

Carona: Jeová Santos tem condenação de 5 anos por roubo

Na semana passada, Binho, que já estava com a prisão temporária decretada pela Justiça, foi preso pela Polícia Militar do município de Breves (PA). Ele estava na companhia de uma pessoa que estava armada. Na averiguação, a PM paraense descobriu o mandado de prisão e comunicou a Polícia Civil do Amapá.

Ronaldo Coelho quer ouvir o depoimento do acusado, mas já decidiu que ele será indiciado por homicídio e tentativa de homicídio.

Neste domingo, Binho foi entregue pelos policiais do GTA ao delegado Ronaldo Coelho no Aeroporto Internacional de Macapá. No mesmo voo, a equipe ainda trouxe outro criminoso do Amapá condenado por roubo e que também foi preso em Breves. Jeová dos Santos Costa é condenado a 5 anos de prisão. 

Compartilhamentos