Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, firmou nesta quinta-feira, 9, o compromisso de ajudar a solucionar o problema das áreas atingidas por erosão no arquipélago do Bailique, distante 200 quilômetros de Macapá.

O ministro esteve reunido com os senadores Davi Alcolumbre (DEM) e Randolfe Rodrigues (REDE), em Brasília, dos quais ouviu sobre a situação em que se encontra a região após mais uma manifestação do fenômeno conhecido como Terras Caídas.

Ministro Helder Barbalho recebeu os senadores do Amapá em audiência. Fotos: Ascom senador Davi/divulgação-

Ministro Helder Barbalho recebeu os senadores do Amapá em audiência. Fotos: Ascom senador Davi/divulgação

Segundo levantamento da Defesa Civil de Macapá, 192 casas já foram derrubadas pelo fenômeno, que também atingiu a Unidade Básica de Saúde e uma escola municipal.

A proposta dos senadores é que o Ministério da Integração Nacional atue junto com o município para ajudar às famílias.

 

Escola Boa Esperança é uma das unidades escolares que corre risco, segundo Iepa. Fotos: divulgação Iepa

Escola Boa Esperança é uma das unidades escolares que corre risco de desabar, segundo Iepa. Fotos: divulgação Iepa

Em janeiro, fenômeno deixou famílias desabrigadas

Em janeiro, fenômeno deixou famílias desabrigadas

“O fenômeno é natural, mas nós temos que buscar soluções para ajudar essas famílias que já perderam as casas. Nós queremos sensibilizar o ministro para ter um olhar especial, já que é um problema que ainda está longe de terminar”, disse o senador Davi Alcolumbre.

Após reunião, ministro entrou em contato com o prefeito de Macapá, Clécio Lúís, para tomar medidas em prol das famílias atingidas

Após reunião, ministro entrou em contato com o prefeito de Macapá, Clécio Lúís, para tomar medidas em prol das famílias atingidas

Durante a audiência, os senadores ligaram para o prefeito de Macapá, Clécio Luís, que ouviu do ministro comprometimento de ajudar a recuperar o arquipélago.

Para que isso ocorra, Clécio terá que decretar situação de emergência no Bailique. O decreto ficou de ser assinado ainda nesta quinta-feira.

Compartilhamentos