Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Há dois anos o amapaense tem visto um carnaval diferenciado acontecendo. Sem os tradicionais desfiles das escolas de samba de Macapá, o jeito tem sido fazer a folia em blocos de rua, festinha na casa de amigos e viajar tanto para fora, como para o interior do estado.

Para o Sindicato das Empresas de Turismo (Sindetur), esse ano haverá um número muito maior de pessoas passando o carnaval em Macapá e no interior, pois há uma queda de 90% na compra de pacotes de viagens.

presidente do sindetur

Edir Pacheco, presidente do Sindetur: procura por pacotes de viagem para fora é pequena. Foto: André Silva

Hoje, o Amapá conta com 57 empresas de turismo que vêm realizando venda de pacotes turísticos nesse período do ano.

“Tem gente que já comprou pacote para Fortaleza e para as parias do Nordeste, mas esse numero é muito pequeno, não chega a 10% do que era vendido a alguns anos, quando fazíamos pacotes para trinta a quarenta pessoas indo para Salvador por exemplo. Esse ano não vendemos nenhum na minha agência e acredito que em outras a situação esteja a mesma. As pessoas que compravam, preferiram ficar por aqui mesmo esse ano”, explicou Edir Pacheco, presidente do Sindetur.

Carnaval em tempo de crise

Sem a alternativa do carnaval tradicional e a forte crise que atinge o estado, o próprio amapaense deve fazer a festa procurando alternativas. Para Pacheco, os foliões irão procurar alguns pontos bem conhecidos no estado para se reunir com a família e amigos. Os que preferirem ficar na cidade vão fazer a festa em casa mesmo.

Sem carnaval no sambódromo, amapaense deve usar criatividade para se divertir ou optar por Santana ou eco-turismo nos interiores. Foto: arquivo/SELESNAFES

Sem carnaval no sambódromo, amapaense deve usar criatividade para se divertir ou optar por Santana ou eco-turismo nos interiores. Foto: arquivo/SELESNAFES

“É o próprio amapaense que, não tendo essa alternativa do carnaval tradicional, vai fazer o dele. Seja na casa de um amigo lá no Abacate da Pedreira ou em outro lugar. Nessa altura, ele já está esquematizando algum lugar para ir”, disse Pacheco.

Ele afirmou que o próprio estado não possui estrutura para receber turistas, para isso o Governo deveria investir em centros de convenções onde pudessem ser realizados eventos grandes, porque com a estrutura que existe hoje isso não pode acontecer.

Interiores podem ser alternativa para sossego

Interior pode ser alternativa para sossego

Sindetur acredita que turismo dentro do estado terá alta. Foto: Sindetur/divulgação

Sindetur acredita que turismo dentro do estado terá alta. Foto: Sindetur/divulgação

“Mas para quem quer aproveitar a paisagem e as belezas exóticas do Amapá, a alternativa é fazer reservas em hotéis que possibilitem o desfrute dessas belezas como em Ferreira Gomes, onde há estrutura já bem favorável com hotéis próximos a balneários e um bom receptivo”, comentou.

Edyr Pacheco aposta na festa que vai acontecer em Santana, a 17 quilômetros de Macapá, e na procura por esses balneários para aquecer a economia nesse período.

Compartilhamentos