Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Professores contratados para dar aula no interior do estado estão em uma verdadeira peregrinação há mais de quatro meses para receber. A Secretaria de Educação do Estado (Seed) diz que fará os pagamentos de forma parcelada. A dívida da secretaria com os professores gira em torno de R$ 400 mil.

Eles foram contratados para dar aula no ensino modular, metodologia onde os alunos de lugares de difícil acesso têm aulas durante um período de 50 dias ininterruptos. Os 28 professores contratados no ano passado só não receberam as gratificações que giram em torno de R$ 4 mil. Seus salários continuam em dia.

professores ensino modular (2)

Professor Nilton Santos: falta de respeito com o servidor. Fotos: André Silva

O grupo diz que já foi à secretaria, mas de lá foram direcionados à Secretaria de Administração do Estado (Sead) de onde saíram também sem reposta.

“É uma falta de respeito com o servidor. Fomos contratados e só recebemos um mês e o restante das viagens nós estamos custeados. Eles dizem que não tem recursos para nos pagar então por que contrataram?”, disse o professor Nilton Santos.

Ele e mais três colegas que se encontram na mesma condição estiveram em frente ao Palácio do Setentrião na tarde desta quinta-feira, 2, onde acontecia uma reunião entre a Seed e diretores da rede de ensino do estado.

Na ocasião, a secretária adjunta de pessoas da Seed, Nerian Quadros, disse que a situação dos professores já foi repassada para a Sead, que fará os pagamentos de forma parcelada, sendo que a primeira parcela será paga no próximo dia 28, dia do pagamento do funcionalismo público.

professores ensino modular (1)

Secretária adjunta de pessoas da Seed, Nerian Quadros: Sead fará pagamento parcelado

Quadros disse, que os professores não puderam ser incluídos na folha de pagamento normalmente nos outros meses. Ela foi enfática em dizer que esse foi um problema à parte.

“Como eles viraram passivos e não puderam ser inclusos na folha para receber normalmente, tivemos que encaminhar o processo para a Sead, que é a responsável por qualquer pagamento fora de folha. O Estado passa por dificuldades financeiras e por isso não poderá realizar o pagamento em sua totalidade então por isso ele será parcelado em cinco vezes”, afirmou a secretária.

Compartilhamentos