Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um dos acusados de matar um universitário no dia 21 de janeiro no Conjunto Hospital de Base, Bairro do Buritizal, na zona sul de Macapá, se apresentou à Polícia Civil na manhã desta terça-feira, 7, e negou participação no crime. No entanto, um irmão dele, que assumiu ter feito os disparos, disse o contrário.

Aldair Bastos Ferreira, de 26 anos, se apresentou com advogado para prestar depoimento no caso que está sendo investigado pelo delegado Ronaldo Coelho, da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe).

O delegado já tinha ouvido o depoimento do irmão dele, de 17 anos. O menor confirmou que estava na garupa da moto quando atirou várias vezes em um grupo de rapazes acertando a vítima por engano. Ele revelou que quem estava pilotando a moto era o irmão, Aldair Ferreira.

“Ele disse: ‘eu saquei um revólver para acertar o Suke’. Mas ele acertou o Gideon (universitário) que estava no local errado e na hora errada”, comentou Ronaldo Coelho.

Delegado Ronaldo Coelho não acreditou na negativa de autoria de Aldair Ferreira, que estaria pilotando a moto na noite do crime. Foto: Olho de Boto

Delegado Ronaldo Coelho não acreditou na negativa de autoria de Aldair Ferreira, que estaria pilotando a moto na noite do crime. Foto: Olho de Boto

Gideon Santos do Rosário, de 31 anos, estava concluindo o curso de Arquitetura na Faculdade Fama, em Macapá. No dia 21 de janeiro, uma noite de sábado, ele estava voltando para casa depois de visitar o irmão que mora no conjunto.

Subitamente, ao passar por um grupo de rapazes, ele foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta fazendo disparos. Ele correu, mas foi atingido e morreu no Hospital de Emergência de Macapá.

Desde o início das investigações, a Polícia Civil trabalhava com a tese de morte por engano. O alvo, na verdade, era outra pessoa que estava no grupo, um homem identificado como “Suke”.

Gideon do Rosário: na hora e local errados. Foto: Reprodução/Facebook

Gideon do Rosário: na hora e local errados. Foto: Reprodução/Facebook

Suke é o apelido de Adailton de Abreu Ferreira, 30 anos, que no dia 8 de julho de 2007 matou Antônio dos Santos Freitas, tio dos acusados. Ele foi julgado e condenado a 12 anos de prisão. Na noite em que o universitário foi morto ele ja estava em liberdade e era o verdadeiro alvo.

Com a ajuda de câmeras de segurança, a polícia identificou a motocicleta e, ao ouvir depoimento dos rapazes que estavam no grupo, descobriu que um deles (Suke) havia respondido pelo homicídio.

Suke prestou depoimento ao delegado Ronaldo Coelho e admitiu que era o alvo da dupla que estava na motocicleta.

“Ele disse: ‘o Aldair me conhece e eu conheço ele’. E sempre que se cruzavam os olhares eram mortíferos”,  resumiu.

O menor confessou que ele e o irmão, Aldair Ferreira, planejaram vingar o tio que, inclusive, teria sido morto no mesmo lugar.

“Eles tinham raiva, e esse sentimento era porque o ‘Suke’ (acusado do homicídio do tio), teria saído da cadeia e estaria debochando da família”, explicou o delegado.

O plano de vingança foi colocado em prática às 23h fazendo como vítima a pessoa errada.

“Ele (o menor) diz que entregou a arma pra um tio que a gente está tentando localizar e não consegue. E agora o irmão disse que não sabe porque ele (o menor) está falando isso”, acrescentou Ronaldo Coelho.

Apesar de negar participação no crime, Aldair Ferreira saiu da Decipe indiciado.

“Temos as provas, mas ele vem com a negativa. Ainda faremos investigações para saber se existe a participação de outros”, concluiu o delegado.

Compartilhamentos