Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Após um acordo entre delegados e a defesa para uma apresentação espontânea na semana que vem, o homem acusado de ser o maior estelionatário em atividade no Amapá foi solto depois de ser preso em flagrante na última quarta-feira, 22.

A Polícia Civil de Macapá atribui a Luís Marcelo dos Santos, o “Babuja”, de 42 anos, pelo menos 70 golpes. Dezenas de vítimas compareceram no Ciosp do Pacoval para fazer o reconhecimento e oficializar a queixa.

Investigador Gedielson Oliveira:

Investigador Gedielson Oliveira: acusado sumia e trocava o chip do telefone

Luís Marcelo foi preso nesta quarta-feira, 23, por uma equipe do 1º Batalhão da Polícia Militar quando tentava aplicar outro golpe na mesma vítima, segundo a polícia.

De acordo com as denúncias e investigações, Luís Marcelo dos Santos dizia que estava formando uma cooperativa que iria alugar carros para secretarias do governo do Estado. Pelo menos 28 pessoas teriam caído no golpe. 

“Ele induzia as pessoas a passar vultosas quantias em dinheiro para fazer parte da cooperativa. Depois ele sumia e trocava de chip do telefone. Enquanto isso, as vítimas só iam se avolumando”, relata o agente da Polícia Civil, Gedielson Oliveira, da 2ª Delegacia de Polícia de Macapá. 

Ciosp do Pacoval ficou cheia de vítimas. Fotos: Olho de Boto

Ciosp do Pacoval ficou cheia de vítimas. Fotos: Olho de Boto

De acordo com o agente, o acusado tem extensa ficha policial, inclusive com passagem pelo Instituto de Administração Penitenciária (Iapen).

Ele também é suspeito de se passar por funcionário do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial (Imap) para oferecer terrenos públicos que poderiam ser comprados a baixo custo.

“Tem um poder de persuasão muito grande, mas o fato é que a vítima só se torna vítima quando ela quer se dar melhor que o próprio golpista”, comenta o policial. “Num dos casos ele parou no salão para cortar o cabelo, e convenceu o dono do salão a entregar seu carro para prestar serviços no Detran. Ele saiu do salão no veículo e sumiu”, contou.

Segundo a polícia, o acusado também se passa por funcionário do Imap

Segundo a polícia, o acusado também se passa por funcionário do Imap

Luis Marcelo ficou de se apresentar na próxima semana com dois advogados

Luis Marcelo ficou de se apresentar na próxima semana com dois advogados

Uma das principais dificuldades da investigação foi encontrar o endereço do acusado que não tem residência fixa. Os investigadores mapearam pelo menos 8 endereço diferentes.

O delegado que estava no plantão no Ciosp do Pacoval avaliou que, por ser um crime de menor potencial ofensivo, ele não precisaria ficar preso, desde que se apresente para prestar depoimento na próxima terça-feira, 28.

Se ele não comparecer, a Polícia Civil vai pedir a prisão preventiva.

“Queremos impedir que ele faça novas vítimas”, frisa o policial.

Compartilhamentos