Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Acusado de ser um estelionatário, Luís Marcelo dos Santos, 35 anos, conhecido como “Babuja”, foi preso na tarde desta quarta-feira, 22. Segundo a polícia, ele estaria tentando aplicar o mesmo golpe pela segunda vez na mesma vítima, em uma oficina mecânica, no Bairro Buritizal, zona sul de Macapá.

Ele estava sendo procurado há 7 meses por no mínimo 28 pessoas. Ele se fazia passar por gestor do governo do Estado atrás de carros para alugar. As locações seriam por valores entre R$ 500 e R$ 1,2 mil.

Homem prometia pagamentos de até R$ 1,2 mil em nome de secretarias de Estado. Fotos: Olho de Boto

Homem prometia pagamentos de até R$ 1,2 mil em nome de secretarias de Estado. Fotos: Olho de Boto

As vítimas passaram os últimos meses no encalço do estelionatário que estava tentando aplicar o mesmo golpe de aluguel de carros em outro ponto da cidade e com um novo argumento para pedir dinheiro: que os interessados em ceder os veículos precisariam fazer um curso de primeiros socorros, e por isso teriam que pagar uma taxa de R$ 80.

Segundo uma das pessoas lesadas que prefere não se identificar, Babuja é uma pessoa muito articulada, fala bem, reunia as vítimas do golpe para dar informações sobre a suposta locação, falava o nome de funcionários, secretários e políticos importantes e tinha livre acesso as dependências de secretarias estaduais.

“A promessa era de que nós receberíamos no dia seguinte a efetivação do contrato pra isso ele solicitava uma contribuição sindical que era uma taxa de adiantamento de um sindicato. Com isso, ele arrecadou de mais de 28 pessoas esses valores diferenciados”, explicou a vítima.

Vítimas foram até o Ciosp do Pacoval após captura do criminoso

Vítimas foram até o Ciosp do Pacoval após captura do criminoso

A pessoa lesada relatou também que teve um prejuízo de R$ 4 mil e que, como indicou os amigos para a suposta proposta de emprego, ele teve que vender o imóvel que tem em seu nome para sanar o débito.

“Percebi que havia algo estranho quando ele começou a se evadir e não atender as ligações. Ele tinha livre acesso dentro das secretarias, dentro dos órgãos governamentais e com isso ele nos fez ganhar confiança, pela credibilidade de estar entrando”, comentou.

Os consecutivos adiamentos da assinatura dos contratos com os motoristas fez com que as vítimas desconfiassem de Babuja. No último contato, ele avisou que uma mulher de nome Cíntia iria levar os contratos e que o pagamento seria feito em cheque. Após isso, o criminoso passou 7 meses foragido, até que foi encontrado pelo grupo lesado.

“Ele é acostumado a praticar estelionato, têm pessoas de Santana que foram vítimas dele, já caíram duas vezes no mesmo golpe por não conhecerem ele pessoalmente, mas por indicações de terceiros, pela proposta boa que faz, as pessoas acabam sendo ludibriadas. Acreditamos na justiça e creio que vai dar tudo certo e as pessoas vão ser restituídas pelos valores que foram aplicados nesse golpe”, concluiu a vítima.

Policiais impediram que estelionatário fosse agredido

Policiais impediram que estelionatário fosse agredido

De acordo com o sargento Dejaci, o 1º Batalhão da Polícia Militar (1º BPM), o acusado só não foi espancado pelas vítimas porque havia um policial civil no momento de sua captura.

“Ele teve sorte porque tinha um policial civil lá e não deixou os mesmos agredirem ele, os que foram enganados estavam todos lá”, disse o policial.

O criminoso foi conduzido até o Ciosp do Pacoval para que as medidas cabíveis sejam adotadas. As vítimas também se dirigiram até a delegacia para prestar depoimentos sobre o caso.

Compartilhamentos