Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, confirmou nesta quinta-feira, 30, que estará em Laranjal do Jari, no Sul do Amapá, provavelmente na semana que vem, para acompanhar de perto a situação das famílias atingidas pela cheia do Rio Jari. O convite foi feito pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O ministro vai acompanhado de parte de seu gabinete, incluindo a coordenação da Defesa Civil Nacional.

Enchente tem causado estragos na região. Foto: reprodução/Whatsapp

Enchente tem causado estragos na região. Foto: reprodução/Whatsapp

“A principal preocupação é com a próxima lua cheia, que vai ocorrer lá pelo dia 12 de abril, e pode elevar para 1 mil o número de pessoas atingidas pela enchente”, justificou o parlamentar.

O senador vem recebendo informes diários do prefeito Márcio Serrão sobre a situação que tem se agravado com a cheia do Rio Jari. Laranjal é o terceiro município mais populoso do Estado, com cerca de 60 mil habitantes.

“O ministro vai ver de perto como são as moradias em palafitas na nossa região, e vai poder decidir com mais eficiência o que precisa ser feito pelas famílias”, avalia o senador.

helder barbalho e davi 2

Ministro conhecerá área afetada e poderá tomar decisões menos burocráticas para agilizar ajuda. Foto: ascom Senador Davi

Segundo Davi, só alimentos, roupas e remédios não serão suficientes se a inundação aumentar, já que boa parte da infraestrutura de mobilidade dos moradores vai ser prejudicada mesmo depois que a água recuar.

“A água vai arrancando do lugar as passarelas. As pessoas vão ficar sem ter como chegar em casa porque as passarelas ficarão desmontadas”, explica.

Além da Defesa Civil, o ministro vai levar assessores e diretores do setor orçamentário do Ministério da Integração, o que permitirá a tomada de decisões rápidas no próprio município.

O ministro Helder Barbalho ainda não confirmou a data da ida a Laranjal, mas a visita deve ocorrer até o dia 10 de abril. Ele também fará uma visita na ponte sobre o Rio Jari, obra que está paralisada há quase 10 anos. 

Compartilhamentos