Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O Exército vai assumir parte das obras de asfaltamento da BR-156 no Sul do Amapá. O acordo foi selado durante encontro entre o governador Waldez Góes (PDT) e o chefe de Departamento de Engenharia e Construção do Exército, general Osvaldo de Jesus Ferreira na última quarta-feira, 8, em Brasília.

O Exército vai asfaltar a partir de Laranjal do Jari e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) os dois lotes seguintes. O governo do Estado ficou com os 60 quilômetros restantes até a conexão com a BR-210, próximo de Macapá.

“Vamos começar nossa parte no próximo verão. O DNIT deve licitar, nos próximos meses, os trechos intermediários e as tratativas com a bancada federal, com o general Ferreira, com o DNIT e com a prefeitura de Laranjal do Jari. Essas parcerias são importantes, pois a BR-156 é uma estrutura fundamental para a integração do Amapá com o Pará, e depois, via BR-163, com as demais regiões do país. Essa parceria está sendo possível graças a uma visão estratégica do Exército, do Amapá e do DNIT”, destacou o governador Waldez Góes.

Generais, governador e representantes da bancada federal Marcos Reátegui e Marcivânia Flexa. Foto: Secom/Divulgação

Generais, governador e representantes da bancada federal Marcos Reátegui (PSD), Cabuçú Borges (PMDB) e Marcivânia Flexa (PC do B). Foto: Secom/Divulgação

“Somos usuários da rodovia e este é um momento que consideramos histórico, pois coincide com a implantação do Comando de Brigada em Macapá, cidade estratégica para a garantia da soberania e integridade nacionais. A materialização desta instalação nos permitirá cumprir com o nosso objetivo e será bom para o Exército, para o Amapá e para o país”, comentou.

O convênio será entre o Dnit e o Exército. O departamento irá repassar os recursos aos militares para que toquem a obra.

“Pensamos em concluir os projetos e começar as obras, provavelmente, no ano que vem. Essa rodovia corta todo o Amapá. O trecho norte já tem dois lotes pavimentados e conseguimos contratar mais dois lotes. Já o lote sul tem manutenção, mas está todo em leito de terra, e o asfaltamento é fundamental para dar mais condições à população”, detalhou o diretor-geral do Dnit, Valter Casimiro Silveira.                        

“Enquanto deputada e conhecedora das dificuldades da BR-156, trecho do Jari, eu não vou me excluir em ajudar. É importante a união de todos, do Exército, do GEA e da bancada federal para que a população seja a beneficiada”, disse a deputada Marcivânia Flexa (PCdoB).

“O Amapá deixa de ser uma ilha, porque passará a ter ligação com o Sul do Pará pela ponte do Jari e com a Guiana Francesa pela BR-156”, acrescentou o deputado federal Marcos Reátegui. 

Compartilhamentos