Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

O secretário de Justiça e Segurança Pública do Amapá, Ericláudio Alencar, confirmou na manhã desta quinta-feira, 2, que o governo do Estado lançará ainda no mês de março o edital para o concurso público da Polícia Civil, Militar, Politec e Defensoria Pública. Ao todo, são mais de 400 vagas. O concurso faz parte do aparelhamento da segurança para 2017.

 “O anúncio será nos próximos dias com o edital, conteúdo programático e as datas da prova ainda para o primeiro semestre. Nosso planejamento e que a chamada para os aprovados ainda ocorra este ano”, frisou o secretário.

Secretário Ericláudio Alencar:

Secretário Ericláudio Alencar: edital, conteúdo programático e as datas da prova ainda para o primeiro semestre. Fotos: Cássia Lima

Segundo Ericláudio Alencar, a demanda é de 300 policiais militares, 32 delegados, 120 agentes de polícia e 120 oficiais, além de 22 médicos legistas e 30 defensores públicos.

“Nós já pedimos um estudo das secretarias de Administração e Planejamento (Sead e Seplan) para verificar a disponibilidade orçamentária dessas vagas. Por mim, seria esse número de vagas mesmo, mas acho que nossa folha não comporta isso”, explicou.

A previsão é que até a primeira quinzena do mês o número definitivo de vagas seja divulgado. A meta é que seja em torno de 400 vagas entre policiais militares, médicos legistas, defensores, oficiais e agentes de polícia.

O concurso faz parte de um conjunto de investimentos de R$ 170 milhões para aparelhar a Segurança Pública com infraestrutura necessária para os servidores. Além do concurso, serão lançadas as obras para construção do quartel de bombeiros da zona oeste e da zona norte, quartel marítimo na Fazendinha, quartel da PM da zona oeste e no Macapaba, além do Perpétuo Socorro e Santana.

defensoria ap

Defensoria Pública do Amapá será um dos órgãos contemplados com a realização de processo seletivo

O pacote conta com a recuperação de 29 convênios e a entrega do quartel da PM do Jari, Ciosp da zona oeste, norte e Santana, Deiai de Santana e Mazagão, Ciosp do Jari, DCCM do Centro e a nova sede da Sejusp e Politec de Santana.

“Existe essa urgência na Segurança Pública, muitos agentes estão se aposentando e cerca de 400 pm’s estão pedindo baixa em virtude das novas regras da aposentadoria. Isso vai fazer aumentar nossa carência no quadro da Segurança Pública”, frisou o gestor. 

Compartilhamentos