Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Em Ferreira Gomes, município distante 135 quilômetros de Macapá, cerca de 100 famílias estão com suas casas parcialmente ou completamente submersas com a inundação que atinge a região. O Bairro Matadouro, área mais baixa e próxima ao Rio Araguari, é o local mais atingido.

O prefeito do município, Divino Rocha (PEN), se encontrou no fim da tarde do domingo, 26, com representantes da Defesa Civil Estadual e da Secretaria de Estado de Inclusão e Mobilização Social (Sims), para tratar do monitoramento das situações de risco. De acordo com a Guarda Civil do Município, o nível do rio tem oscilado bastante nos últimos dias.

Bairro Matadouro foi o mais afetado. Fotos: Marcelo Loureiro (Secom/divulgação)

Bairro Matadouro foi o mais afetado. Fotos: Marcelo Loureiro (Secom/divulgação)

A Prefeitura de Ferreira Gomes informou que há cerca de 15 famílias desalojadas que seguiram para casas de parentes ou amigos. Duas famílias desabrigadas estão em uma escola, sendo assistidas pelo Município.

Divino Rocha relatou ao coordenador geral de Defesa Civil do Estado, coronel Wagner Coelho, e à titular da Sims, Nazaré Freitas, o que as famílias estão necessitando imediatamente.

Segundo o gestor, a inundação tem impedido os pais de família de sair de suas casas para pescar. Muitos sobrevivem da venda de peixes e, com isso, adquirem alimentos para suprir as necessidades de esposas e filhos, o que, no momento, está difícil de se fazer.

“A grande necessidade deles é alimento. A área do bairro do Matadouro está quase toda no fundo ainda. O município está fazendo o levantamento e cadastro das famílias que estão nesta área e tomando todas as providências assistenciais. Os moradores estão pedindo muito por cestas básicas, pois a maioria trabalha para sua subsistência. Precisamos de auxílio do Estado”, pontuou Divino Rocha.

A titular da Sims, Nazaré Freitas, informou que ainda nesta segunda-feira, 27, se comunicaria com o município para tratar sobre o assunto e que um levantamento está sendo feito para que o Estado possa buscar suprir as demandas existentes.

Foto destaque: Marcelo Loureiro (Secom/divulgação)

Compartilhamentos