Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Um projeto social que trabalha com meninos de 8 a 16 anos  desenvolvido pelo policiamento escolar do 6° Batalhão da Polícia Militar (6º BPM) em parceria com a comunidade do Bairro Perpétuo Socorro, zona leste de Macapá, recebeu quase R$ 16 mil para compra de materiais esportivos e uniformes para 80 garotos que fazem parte do projeto.

O cheque no valor de R$ 15.970 foi doado na última terça-feira, 14, pela Justiça do Amapá por meio da Vara de Medidas Alternativas (Vepma), coordenada pelo juiz Marcelo Funfas. O dinheiro é fruto de arrecadação de penas alternativas, onde o réu sentenciado por um crime de menor potencial ofensivo é condenado a pagar um valor em dinheiro.

Projeto conta, atualmente, com 80 garotos participando. Fotos: André Silva

Projeto conta atualmente com 80 garotos participando. Fotos: André Silva

?

Doação da Justiça do Amapá chega em boa hora para os jovens que participam da iniciativa do policiamento escolar

O projeto “Meninos do Amanhã” foi criado em julho do ano passado e funciona na Escola Estadual Mário David Andreazza.  O objetivo da iniciativa é diminuir a evasão escolar e tirar meninos de situação de risco por meio do futebol.

“Nosso interesse é tirar aquele jovem mais problemático do convívio da criminalidade e trazermos ele para nós. A partir das visitas que fazemos na casa deles observamos que o comportamento dos garotos e da família muda muito”, avaliou o tenente Marcelo Moraes.

?

Tenente Marcelo Moraes: objetivo é tirar jovem problemático do caminho da criminalidade

O tenente informou que há mais de 100 crianças querendo participar do projeto, mas devido a pouca estrutura e recursos, fica impossibilitado de expandir a iniciativa.

Fábio Cardoso, de 15 anos, é um dos meninos atendido pelo projeto. Ele disse que desde que começou a participar das atividades o seu comportamento mudou e que com as orientações do instrutor, pôde adquirir mais disciplina.

?

Fábio Cardoso: orientações levaram a ter mais disciplina

“Estou há poucos dias no projeto e meus pais já sentiram a diferença em casa”, reconheceu o garoto.

Compartilhamentos