Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Dois homens que estavam em uma motocicleta tiveram morte instantânea ao colidir de frente com um carro na BR-156, no município de Tartarugalzinho, cidade a 232 quilômetros de Macapá. O motorista do carro está internado em estado grave.

O acidente ocorreu por volta das 21h próximo da entrada do Assentamento do Cedro. Uma moto Honda Bros 160 bateu de frente com um Sandero.

O condutor da moto, José Iranildo Ferreira dos Santos Júnior, de 31 anos; e o carona, Gideão Tolosa dos Reis, de 32 anos; morreram no local. Os corpos ficaram dilacerados e com muitas fraturas expostas.

O motorista do Sandero, Josias dos Reis Ferreira, de 46 anos, teve ferimentos graves. Ele foi levado até o Hospital de Ferreira Gomes, e depois transferido para o Hospital de Emergência de Macapá.  

“As lesões foram produzidas pelos corpos que foram projetados para acima do motorista, além do parabrisa”, observou o inspetor Francimuller, da Polícia Rodoviária Federal.  

Os dois homens que estavam na moto morreram na hora

Os dois homens que estavam na moto morreram na hora

Outras 4 pessoas que estavam dentro do carro tiveram ferimentos leves porque estavam com o cinto de segurança.

As vítimas da moto trafegavam no sentido  Tartarugalzinho/Porto Grande. A PRF ainda não sabe precisar porque os dois bateram de frente.

“As informações que nós recebemos é que a moto estaria na contra mão, mas isso é só a perícia que poderá afirmar. Muitos fatores podem ter contribuído, como a falta de iluminação, mato e a alta velocidade”, acrescentou.

Corpos foram projetados para cima do motorista do Sandero que ficou gravemente ferido. Corpo ficaram dilacerados. Fotos: PRF/Divulgação

Corpos foram projetados para cima do motorista do Sandero que ficou gravemente ferido. Corpo ficaram dilacerados. Fotos: PRF/Divulgação

 

A PRF voltou a alertar para a imprudência dos condutores nos 1.150 quilômetros de rodovias federais do Amapá.

“A maioria dos acidentes não acontece pelas condições da via ou clima, mas pela atitude dos condutores. Uma atitude mais defensiva reduziria muito as ocorrências”, concluiu Francimuller.

Hoje, a PRF do Amapá tem bases em Macapá, Tartarugalzinho e Oiapoque.  

Compartilhamentos