Compartilhamentos

LEONARDO MELO

Latrocínio, tentativa de homicídio contra um policial militar, furtos, roubos e tráfico de drogas. Essa é a ficha de Weslen dos Santos Barbosa, o “Ben 9”, de 21 anos, um jovem criminoso muito conhecido pela Polícia Militar do Amapá, e preso mais uma vez nesta quarta-feira, 5.

A prisão foi feita sem resistência do criminoso por policiais do Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM). Três equipes foram mobilizadas após o recebimento de denúncia anônima indicando uma casa na Avenida José Nery, no Bairro Universidade, zona sul de Macapá, onde estaria ocorrendo o comércio de entorpecentes.

“Havia vários usuários na residência que foram lá para consumir entorpecentes. Ele (Ben 9) assumiu que estava praticando o crime e encontramos algumas porções, mas percebemos que ele apresentava muito nervosismo, foi quando decidimos pedir o apoio do Canil do Bope”, relatou o subtenente Silva Rocha, do BRPM.

Com apoio do Canil do Bope, BRPM apreende 114 porções e várias pedras de crack. Fotos: Olho de Boto

Com apoio do Canil do Bope, BRPM apreendeu 114 porções e várias pedras de crack. Fotos: Leonardo Melo

Três equipes do BRPM participaram da abordagem

Três equipes do BRPM participaram da abordagem feita sem resistência do criminoso

A suspeita se confirmou. O cão farejador do Bope encontrou mais porções de maconha e pedras brutas de crack. No total, foram 114 porções prontas para venda.

Ben 9 foi apresentado em flagrante no Ciosp do Pacoval, e nesta quinta-feira, 6, será encaminhado para mais uma audiência de custódia.

O irmão gêmeo dele, Oberdan Barbosa, o “Ben 10”, já cumpre pena por tráfico de drogas no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen), junto com dois cunhados pelo mesmo crime.

Ben 9 e o irmão gêmeo Ben 10 já tinha atirado contra uma guarnição da PM a atingido um sargento

Ben 9 e o irmão gêmeo Ben 10 já tinha atirado contra uma guarnição da PM a atingido um sargento

A PM afirma que os dois irmãos sempre agiram juntos desde a adolescência, quando foram apreendidos por matar uma mulher durante um assalto.

Na época, durante a operação da PM para capturá-los, eles atiraram contra uma guarnição chegando a atingir um sargento. O policial foi salvo pelo colete a prova de balas.  

“Já é uma grande vitória a gente tirar esse produto todo de circulação. Um grande impacto para o tráfico de drogas”, avaliou Rocha.

Compartilhamentos