Compartilhe

OLHO DE BOTO

Calmo, casado, 5 filhos. Esse é o perfil do ajudante de pedreiro Márcio Rosa, de 30 anos, preso como único suspeito da morte da jovem Tainá de Barros, de 20 anos, no último fim de semana no município de Santana, a 17 quilômetros da capital, Macapá. O delegado que investiga o caso revelou nesta quinta-feira, 20, que a vítima lutou muito antes de morrer.

As informações foram repassadas durante uma entrevista coletiva com o delegado Sandro Torrinha, acompanhado da delegada geral de polícia do Amapá, Lourdes Sousa, e do secretário de Segurança Pública do Estado, Ericláudio Alencar.

“Ela era magra, e ele tem uma compleição física avantajada. Ela ainda lutou muito, mas não conseguiu”, comentou Torrinha ao falar dos arranhões no corpo do ajudante de pedreiro. Ele está preso na 1ª Delegacia de Polícia de Santana depois que a justiça expediu mandado de prisão preventiva a pedido da polícia na noite desta quarta-feira.

De acordo com o delegado, o vídeo que mostra a vítima sendo seguida, às 5h madrugada do dia 14, próximo da Rodovia Duca Serra, foi fundamental para identificar o criminoso.

Márcio mora perto da casa vítima, e emprestou as roupas que aparecem nas imagens do vídeo

Márcio mora perto da casa vítima, e emprestou as roupas que aparecem nas imagens do vídeo

Ajudante de pedreiro teve a prisão decretada na noite desta quarta, 19

Ajudante está preso desde a quarta-feira, 19

Segundo as investigações, na madrugada do crime o ajudante de pedreiro estava bebendo em um bar com amigos e estava sem camisa. Antes de sair do estabelecimento ele pediu uma camisa e um boné emprestados a um amigo. As roupas seriam as mesmas que aparecem no vídeo e já estão com a polícia.  

“Existem pelo menos cinco provas contra ele. A própria mulher dele o reconhece nas imagens. Ele tem a perna torta e isso é perceptível nas imagens”, observou o delegado.

Outra revelação feita pela polícia é que o ajudante conhecia a vítima apenas de vista por morar perto dela.

O laudo sobre as causas da morte de Tainá Barros ainda não foi divulgado, mas peritos confirmaram informalmente que a moça foi agredida a socos e pedradas, o que pode ter contribuído para uma morte por traumatismo. Há sinais de esganadura e de que ela foi estuprada. As roupas da jovem ainda não foram localizadas.  

Vídeo foi fundamental para identificar o verdadeiro criminoso

Vídeo foi fundamental para identificar o verdadeiro criminoso

Namorado Ronaldo Furtado deixou de ser o suspeito

Namorado Ronaldo Furtado deixou de ser o suspeito

Márcio Rosa já teve passagem pela polícia. Quando era menor respondeu pelo crime de homicídio.

 “É uma pessoa extremamente calma, me surpreendeu como não demonstrou nenhuma emoção e agiu como se nada tivesse acontecido”, descreveu o delegado.  

“Policiais trabalharam incansavelmente para solucionar esse caso. Uma investigação séria, que juntou provas. Todos os indícios apontavam na direção do namorado, mas o delegado foi cauteloso, colheu a boa prova. O inquérito foi bem feito”,  avaliou o secretário Ericláudio Alencar. 

Compartilhe