Compartilhe

ANDRÉ SILVA

Chegou ao fim a campanha de arrecadação de dinheiro para o translado do corpo da pequena Isadora Nazário, de 11 anos, que morreu na França no último dia 31 de março. O governo do Estado ajudou na liberação do corpo previsto para chegar à Macapá na sexta-feira, 21.

O tio da menina, Rômulo Nazareno, de 34 anos, disse no fim da tarde desta quarta-feira, 19, que o dinheiro arrecadado já foi depositado na conta da funerária que vai cuidar do preparo do corpo da menina para a viagem.

“Meu irmão conseguiu, com ajuda de um representante do Estado que estava em Paris, agilizar a liberação do corpo. Agradecemos a todos que ajudaram”, falou o tio.

Familiares da menina fizeram campanha financeira para garantir pagamento do traslado. Fotos: arquivo familiar

Familiares da menina fizeram campanha financeira para garantir pagamento do traslado. Fotos: arquivo familiar

O corpo está em Paris, capital da França no Hospital Pediátrico Neckeer. Ele sai de lá nesta quinta-feira, 20, e chega em Macapá na sexta, 21.

A Liberação do corpo

Foram quase 20 dias, desde a morte da menina até a liberação do corpo. O tempo poderia ter sido maior se não fosse a coincidência de estar no país uma representante da Assessoria de Assuntos Internacionais do Amapá, resolvendo problemas pessoais.

Lidiane Vieira foi acionada pelo GEA dias depois da notícia de que a menina teria morrido. Ela conseguiu acompanhar de perto todo o tramite administrativo para a liberação do corpo.

“A família teve um problema muito grande, que era a comunicação. Neste sentido, conseguimos falar com o consulado brasileiro que teria que emitir um atestado de óbito em português para o corpo viajar. Falamos também com os representantes do hospital e com a empresa que fará o translado do corpo até o Amapá”, explicou Lidiane Vieira.

Para a liberação do corpo o governo do Estado teve que fazer um acordo de cooperação entre uma empresa brasileira e outra francesa para o corpo chegar até Macapá.

Ao chegar à capital ele segue para Tartarugalzinho, a 320 quilômetros de Macapá, onde será velado e sepultado.

Isadora morreu após complicações do lúpus, a doença é autoimune e atingiu a pele, órgãos e até o sistema nervoso da menina Ela lutava contra a enfermidade desde os quatro anos de idade.

Compartilhe