Compartilhe

OLHO DE BOTO

A Polícia Civil da cidade de Santana, a 17 quilômetros de Macapá, acredita ter solucionado a morte da jovem Tainá de Barros, de 20 anos, que teve o corpo encontrado sem roupas no último fim de semana. 

Um novo suspeito aparece em imagens de uma câmera de segurança cruzando com a vítima na rua e depois voltando para segui-la.

Márcio Roberto Facundes da Silva Rosa, de 30 anos, o “Coxó”, prestou depoimento na tarde desta quarta-feira, 19, na 1ª Delegacia de Santana. Ele tem um defeito na perna e outras características físicas do homem que aparece nas imagens seguindo Tainá de Barros às 5h da manhã do último dia 14.  

Em entrevista exclusiva ao portal SELESNAFES.COM publicada na terça, 18, o namorado de Tainá, e então principal suspeito do crime, Ronaldo Furtado, descreve que a jovem saiu da casa dele por volta das 4h30min do dia 14.

Parente aguardam fim do depoimento do acusado

Parente aguardam fim do depoimento do acusado na tarde desta quarta, 19. Fotos: Olho de Boto

Tainá Barros ainda precisaria caminhar cerca de 70 metros até a Rodovia Duca Serra, onde apanharia um táxi. O corpo dela foi encontrado em um terreno baldio na tarde de sábado, 15, com sinais de violência sexual e esganadura.

“Na imagem ele cruza por ela e volta. A própria esposa dele o reconhece nas imagens, além de mais cinco pessoas”, resumiu o delegado Sandro Torrinha, que investiga o caso.

“A história do namorado dela confere. Infelizmente esse homem (Márcio Rosa) acabou se aproveitando do momento de vulnerabilidade da moça, acabou matando e fazendo outras coisas que a gente ainda está apurando”, acrescentou.

Delegado Sandro Torrinha: arranhões de mulher

Delegado Sandro Torrinha: arranhões de mulher

Perícia

Agora a polícia aguarda o laudo da Polícia Técnica do Amapá (Politec) sobre o local onde o corpo foi encontrado. A suspeita é de que ela tenha sido morta em outro lugar e deixada no terreno que fica do outro lado do comando do 4º Batalhão da PM, na Rodovia Duca Serra.

Outros detalhes ligam Márcio Rosa ao crime, como os arranhões pelo corpo que ele alega terem sido produzidos por um cachorro.

“É mais parecido com unha de mulher”, observa Torrinha.

Polícia no local onde o corpo foi encontrado no dia 15

Polícia no local onde o corpo foi encontrado no dia 15

 Além disso, as roupas que homem do vídeo usa parecem ser as mesmas entregues à polícia hoje pela esposa do acusado.

Márcio Rosa foi levado para prestar depoimento na delegacia, e pode ter a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Compartilhe