Compartilhamentos

SELES NAFES

A deputada federal do Amapá, Josi Araújo (PTN), que teve abertura de inquérito autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), acusou o empresário Noel Oliveira de extorsão e de ameaça de morte. O empresário é o mesmo que denunciou a parlamentar por sequestro e tortura.

Ouvida pelo portal SELESNAFES.COM, além de negar a acusação, a parlamentar garante que não entregou cheques a Noel Oliveira e que nunca fez empréstimo com ele.

“Não sei como ele teve acesso ao meu talonário, mas a esposa dele era minha contadora. (…) Eu estava em processo de separação (do ex-deputado Rosemiro Rocha), então não sei se ele conseguiu na minha casa ou na empresa. Já solicitei o laudo na Politec, porque a assinatura é totalmente diferente da minha”, garante a deputada.

Foto que consta numa da ação de cobrança movida contra a deputada: assinaturas teriam sido falsificadas

Deputada alega que assinaturas são diferentes, principalmente nas letras iniciais. Em azul, a assinatura que a parlamentar diz ser a original

Josi Araújo diz que no fim de 2014, Noel Oliveira, que também seria conhecido como “Nestor”, teria tentado lhe extorquir, “mas nunca dei moral pra ele, foi quando começou a me ameaçar por telefone, dizendo que ia colocar pessoas para me pegar no aeroporto e no plenário. Ontem eu consegui recuperar esse celular com as mensagens dele”.

A defesa da advogada enviou um print do telefone dela com algumas ameaças que teriam sido feitas por Noel Oliveira.  A deputada diz que errou ao não registrar queixa na época. As mensagens são de 2015. 

“Eu não queria me expor. Mas agora eu estou com o telefone e vou levar na Polícia Federal para mostrar que a vítima sou eu. Ele é estelionatário e possui várias ações judiciais. Ele é uma pessoa perigosa”, acusa. 

Print enviado pelo advogado da deputada

“Inverteu tudo. Furtou meus cheques e falsificou minha assinatura. Não sei se tem algum cunho político, porque me parece uma quadrilha. (…) Esses cheques são de março de 2015, portanto, nada a ver com campanha de 2014”, concluiu. 

Compartilhamentos